Sol, mar, atmosfera mediterrânea e boa comida: a Sicília é um do lugares mais bonitos da Itália para ambientar este programa de férias relaxantes. O patrimônio cultural da região ameaça as mais belas praias da Sicília com charme, lembrando um passado mítico. Templos majestosos e arquitetura barroca povoam uma das ilhas mais belas da Itália cercadas por arquipélagos encantadores cujos cenários permanecem gravados na memória para sempre. Seguindo o chamado das praias italianas mais famosas, você encontra uma série infinita de atrações culturais e naturalistas. O que visitar? Aqui estão as 20 coisas mais bonitas para ver na Sicília, talvez na companhia da Costa Cruzeiros.

Catânia

Construída sobre a pedra de lava do Etna, Catânia possui uma história de mil anos e um centro histórico de grande charme. A Via Etnea a atravessa, cênica com seus contornos de edifícios e igrejas de estilo barroco. Hoje, na rua comercial, a estrada principal de Catânia abriga também a magnífica Colegiada, a Basílica de Maria Santissima dell'Elemosina, entre os símbolos da cidade. Seguindo em frente, você chega à Piazza Duomo, um concentrado de monumentos entre os quais se destacam o Palácio dos Elefantes e a Catedral de Santa Ágata, com sua majestosa fachada. Um passeio pela Via dei Crociferi é inevitável, cheia de obras-primas do barroco de Catânia. Após o passeio pelos edifícios históricos é obrigatória uma etapa na Pescheria, o mercado de Catânia: uma seção transversal animada da vida cotidiana com atmosferas coloridas. A poucos quilômetros de distância fica a praia de La Plaia onde você pode relaxar com o gigante Etna ao fundo.

Palermo

A história plurilenariana de Palermo se reflete em seu patrimônio artístico de extraordinária riqueza. O centro histórico é um tesouro de maravilhas compostas por igrejas antigas, vilas e palácios nobres caracterizados por um sedutor entrelaçamento de estilos e arquiteturas. O itinerário não pode negligenciar os monumentos do Patrimônio Mundial, como a Igreja de São João dos Eremitas, construída com uma planta de cruz latina e embelezada pelo elegante claustro e pelas famosas cúpulas vermelhas, uma característica (a última) compartilhada com a igreja de São Cataldo, entre as vistas mais emblemáticas de Palermo. Você ficará surpreso mesmo em frente ao Palácio Real com a incrível Capela Palatina repleta de mosaicos. Se você quiser imaginar o "paraíso na terra" (o Jannat al-ard, mais propriamente "parque de caça" ou "jardim das delícias") pode visitar o Palácio Zisa, a residência de verão dos reis, cercada por jardins que revelam uma antiga ascendência oriental. A lista poderia continuar indefinidamente mas o melhor é descobrir esses tesouros pessoalmente sem se esquecer da Catedral e da igreja da Martorana.

Veja também:

Ilhas Eólias

As ilhas Eólias são também chamadas de "sete pérolas do Mediterrâneo": a definição, por mais encantadora que seja, resume apenas parcialmente o encanto do arquipélago que, segundo o mito, era o lar do deus dos ventos, Éolo. Localizadas perto de Milazzo, ao longo da costa nordeste da Sicília, as ilhas formam um sistema vulcânico que abrange também uma série de grandes montanhas subaquáticas: Marsili, em particular, está entre as maiores da Europa.

Este gigante submerso está escondido, mas ainda ativo, assim como os vulcões visíveis de Stromboli e Vulcano. As duas ilhas são conhecidas, respectivamente, como "sciara del fuoco" (na qual a escória incandescente derrama, uma vista deslumbrante do barco) e pela lama sulfurosa da praia de Porto Levante. Salina, cenário do filme "Il Postino": é uma ilha verde atravessada por esplêndidos itinerários naturalistas, famosa pelas alcaparras e pelas preciosas vinhas das quais é obtido o vinho Malvasia.

Lipari oferece vistas inesquecíveis e praias selvagens para serem exploradas de scooter ou subindo caminhos escondidos: dominada pela Rocca, é o lar do Museu Arqueológico Regional Eólico onde se revive a atmosfera de um passado mítico. Bem cuidada e exclusiva, Panarea é um cartão postal vivo e o cenário perfeito para um banho mundano. As pequenas Alicudi e Filicudi, por sua vez, preservam zelosamente espaços de natureza intocada e o silêncio do passado.

Trapani

Vista de cima, Trapani recorda uma foice em sua forma arqueada: segundo o mito, ela teria escapado das mãos de um deus, talvez a deusa Ceres, depositando-se aos pés do mar. Muitas vezes considerada um ponto de passagem para visitar as belezas dos arredores (as ilhas Egadi, Erice, San Vito Lo Capo) a cidade merece certamente de ser visitada. Os passeios no centro histórico serpenteiam por uma variedade de igrejas, fontes e palácios ricos em história, como o de Giudecca, no bairro judeu, inconfundível por seu revestimento rústico. As fortificações militares com vista para o porto, como a Torre de Ligny e o Castelo do Pombal, também chamam a atenção. Não perca uma etapa nas salinas de Trapani, parte de uma reserva natural onde você pode caminhar entre moinhos e dunas de "ouro branco" talvez ao pôr do sol.

Messina

Porta da Sicília, Messina foi a capital do Reino e alcançou seu máximo esplendor sob o domínio dos Suábios, dos Angevinos e dos Aragoneses. Grande parte de seu patrimônio artístico foi destruído por terremotos, incêndios e bombas: a cidade passou por uma reconstrução maciça mas mantém ainda traços preciosos de seu passado próspero. Messina reserva, além de seu aspecto moderno, várias surpresas. Para começar, você pode admirar algumas das mais belas igrejas da Sicília: a Catedral, com seu relógio astronômico elaborado, e a Igreja da Santíssima Anunciação dos Catalães. Caminhando por fontes monumentais e arquitetura Art Nouveau você chega ao Museu Regional de Messina onde pode contemplar importantes obras assinadas, entre outros, por Caravaggio e Antonello da Messina.

Palácio Normando

Entre os monumentos mais visitados da Sicília, o Palácio Normando é também chamado de Palácio Real e faz parte do sítio de série árabe-normanda de Palermo, protegido pela UNESCO. A residência real (a mais antiga da Europa) abriga agora a Assembleia Regional. O palácio foi erguido sobre os restos dos antigos assentamentos fenício-púnicos (ainda visíveis na parte subterrânea) que formavam o núcleo original das paleopolis: o oposto desta última, aos neapolis onde surge a Catedral de Palermo. Foi construído durante o domínio árabe e, na época dos Normandos, transformado em um suntuoso palácio real (sede imperial de Federico II), tornando-se mais tarde a residência dos vice-reis espanhóis. Entre seus tesouros se destaca o Salão do Rei Rogério decorado com mosaicos que celebram, de forma alegórica, o poder normando através da representação de cenas da corte e grupos de caça.

Capela Palatina

Uma joia do complexo Palácio Normando, a Capela Palatina foi construída pelo rei normando Rogério II, como uma capela privada para a família real. O monumento impressiona pela riqueza de seu aparato decorativo: Guy de Maupassant ficou tão fascinado por ela que a definiu a igreja mais bonita do mundo. As três naves são delimitadas por colunas de granito e mármore, numa fusão harmoniosa de elementos arquitetônicos e artes figurativas. O piso decorado, o teto de madeira e os mosaicos bizantinos (com o Cristo Pantocrator a dominar a cena) são uma visão indelével.

As Catacumbas Capuchinhas

Os subterrâneos do convento dos Capuchinhos, em Palermo, abrigam um lugar único: um grande cemitério em estilo gótico onde milhares de cadáveres mumificados são preservados. Batizada como as Catacumbas dos Capuchinhos, oferece um espetáculo macabro mas, ao mesmo tempo, de grande importância histórica. Os cadáveres de cidadãos de várias origens sociais são exibidos ao longo das galerias de tufos, vestidos com roupas vintage. Entre os mais reconhecíveis estão os cadáveres de frades e mulheres nobres, totalmente vestidos com roupas bordadas. As Catacumbas dos Capuchinhos acolhem o resto da "bela adormecida de Palermo", a múmia de Rosália, uma garota de rosto angelical.

Museo Regional Luigi Bernabò Brea

O Castelo de Lipari, situado em uma cordilheira rochosa com vista para o mar, abriga uma das principais atrações históricas das Ilhas Eólias, o Museu Regional Luigi Bernabò Brea, em homenagem ao grande arqueólogo siciliano. Sua coleção de artefatos, de valor histórico inestimável, testemunha a variedade de culturas e domínios que se alternaram no arquipélago. Além da seção pré-histórica, localizada no Palácio do Bispo, o Museu abriga a seção clássica e o pavilhão epigráfico com pedras da necrópole greco-romana de Lipari. Entre as descobertas mais importantes se destaca a xícara de Filo Braccio, um dos mais antigos exemplos de representação da Idade do Bronze. Uma seção vulcanológica e paleontológica completa a coleção. O Museu oferece uma vista encantadora sobre o jardim das muralhas e vale a pena uma visita também pela beleza da localização.

Panarea

A ilha de Panarea é conhecida por suas noites sociais mas, além do glamour, há muito mais. A mais antiga das ilhas Eólias forma, juntamente com as ilhotas circundantes, um micro-arquipélago e uma reserva natural com uma beleza única. É um cenário privilegiado para fazer mergulho com snorkel, mas também para excursões fantásticas: um passeio de barco pelas ilhotas, caminhadas no cume e passeios entre jardins luxuriantes. O centro de Panarea é constituído por um emaranhado de ruas estreitas, emolduradas por casas brancas transbordando buganvílias. A ilha VIP é famosa por sua vida social, por suas oportunidades exclusivas de diversão e por suas praias: entre as mais amadas (e confortáveis de alcançar, estando próximas do centro), encontramos Cala Junco, uma deliciosa piscina natural inserida em um anfiteatro rochoso. Cala dei Zimmari é também muito particular, uma praia coberta de areia avermelhada. Panarea era habitada desde os tempos antigos, como evidenciado pela vila pré-histórica de Capo Milazzese.

Vila medieval de Erice

Localizada no topo da montanha homônima, a vila medieval de Erice é dominada pelo Castelo de Vênus, uma fortaleza normanda construída nas ruínas de um templo antigo. Não muito longe de Trapani, esta joia siciliana deve seu charme ao entrelaçamento de ruas pavimentadas marcadas por arcos medievais, pátios decorados e edifícios históricos. "Cidade das cem igrejas", abriga uma profusão de edifícios religiosos e conventos, mas também de lojas de artesanato e confeitarias onde você pode saborear as delícias locais. Impressionantes são os restos das muralhas ciclópicas construídas pelo misterioso povo Elimi e reforçadas pelos Púnicos. Entre os símbolos de Erice estão as Torres de Balio, adjacentes ao castelo, postos militares da cidadela onde ficava o governador (o "bajulo") e ainda hoje se cercam de um jardim suntuoso com buxos centenários. A partir daqui, você pode admirar um panorama inesquecível que abrange também as ilhas Egadi.

Catedral de Messina

Com vista para a praça com o mesmo nome, a Catedral de Messina revela, à medida que você se aproxima, uma infinidade de detalhes e pistas que o ajudam a percorrer sua longa história. Antigo templo reconstruído pelos normandos, possui decorações em mármore e mosaicos na parte inferior que, originalmente, cobriam toda a fachada. Os revestimentos de madeira do teto, cujos fragmentos são preservados no Museu Regional de Messina, foram destruídos pelo fogo: por outro lado, restaurações posteriores enriqueceram a igreja com valiosas obras de arte. Os três portais góticos antecipam a divisão interna em tantas naves: além de admirar a decoração interior, vale a pena visitar o Tesouro da Catedral onde você pode também contemplar a suntuosa Manta Dourada. O campanário ostenta o famoso relógio astronômico com o calendário lunar, o calendário perpétuo e o zodíaco.

Igreja da Santíssima Anunciação dos Catalães

Magnífica fusão de estilo bizantino, normando e árabe, a Igreja da Santíssima Anunciação dos Catalães está entre os edifícios mais visitados de Messina. Resistente ao terremoto e às bombas, revela detalhadamente as tribulações vividas pela cidade: está posicionada a uma altitude mais baixa que a altura da superfície da estrada, na época invadida por um monte de ruínas. Originalmente construída em um antigo templo pagão, perdeu seu patrimônio de obras de arte mas não seu charme arquitetônico. A abside da igreja, em particular, é encimada por uma cúpula com um tambor marcado por arcos cegos e colunas. Os detalhes e geometrias da construção revelam múltiplas influências tornando-as um excelente exemplo de ecletismo arquitetônico.

Área Arqueológica de Segesta

Segundo a história de Tucídides, Segesta foi fundada por fugitivos troianos que desembarcaram na Sicília. Certamente teve uma história conturbada: teve que se opor a Selinunte, suportar a repressão cartaginense e, depois de se aliar a Roma, sofreu a destruição final nas mãos dos vândalos. A memória da cidade antiga vive novamente na área arqueológica de Segesta onde são preservados os vestígios da ágora da era greco-romana e o famoso templo dórico, imersos em um mar de colinas: um cenário espetacular. Até os espectadores do Teatro, construído em uma posição elevada no Monte Bárbaro, podiam desfrutar de um panorama fabuloso: quem quiser aproveitá-lo pode chegar lá a pé ou com o serviço de transporte mais conveniente. O parque de Segesta é um lugar mágico que fascina os amantes da arqueologia e não só.

Catedral de São Lourenço

O centro histórico de Trapani está cheio de igrejas fascinantes: o papel de protagonista cabe à catedral de São Lourenço localizada ao longo do Corso Vittorio Emanuele, no antigo bairro Palazzo. A entrada é espetacular com uma colunata marcada por três arcos redondos: a fachada barroca é caracterizada, na parte superior, pela tendência curvilínea que contribui para o efeito teatral, enquanto o campanário se destaca pela cúspide coberta de majólica colorida. Atravessando a entrada da igreja você é recebido por um crucifixo de alabastro com uma aparência muito realista e uma interessante coleção de telas, afrescos e estuques: o quadro é muito sugestivo para um momento de meditação ou para uma etapa a fundo cultural.

Etna

Também apelidado de "a montanha", o Etna inspira uma espécie de terror naqueles que vivem nas suas encostas: uma sensação que atrai também os visitantes de Catânia, ou aqueles que a admiram de longe durante a viagem à Sicília. Com 3.300 metros, é o vulcão ativo mais alto da Europa e domina a paisagem incontestável. Nem todo o mundo fica satisfeito em admirá-lo de cabeça para baixo: a excursão na altitude é uma possibilidade a considerar mas, mesmo para os mais experientes, é necessária a justa cautela. Como alternativa, há a Ferrovia Circumetnea que completa a circunavegação do vulcão: ideal para desfrutar de suas paisagens relaxantes.

Palácio dos Elefantes

O Palácio dos Elefantes enriquece a cenografia da Piazza Duomo, em Catânia, com sua síntese de gosto barroco e rigor clássico: um equilíbrio bem-sucedido que contrasta o primeiro andar, com pilastras rústicas, e o andar superior, decorado com pilastras planas e esbeltas. Em 1944, o edifício foi danificado por um incêndio ligado a tumultos populares que causou a perda de relíquias importantes e arquivos históricos. Dentro do Palácio dos Elefantes, agora sede da Prefeitura, é possível admirar a grande escadaria, o pátio com arcadas e duas carruagens do século XVIII: em uma delas o prefeito é transportado durante as comemorações em homenagem a Santa Ágata.

Cefalù

Entre as mais belas aldeias da Itália, Cefalù fica a cerca de cinquenta quilômetros de Palermo e oferece vistas encantadoras com a pitoresca marina e o centro histórico situado aos pés da Rocca. A vila costeira se desenvolve ao redor da Catedral cuja aparência lembra a de uma fortaleza com imponentes torres e ameias. Construída por Rogério II, faz parte do sítio da UNESCO árabe-normanda em Palermo, juntamente com a Catedral de Monreale e os monumentos da capital da Sicília. Os mosaicos bizantinos e o Cristo Pantocrator, formado por milhares de peças coloridas sobre um fundo perfurado, brilham no interior. Fechado pelas paredes, o centro histórico preserva igrejas e monumentos preciosos, incluindo o antigo lavadouro medieval, com as banheiras usadas para lavar as roupas. As vistas do porto antigo são memoráveis: subindo até à Rocca o panorama abre a 360° graus sobre a cidade e as águas azul-turquesa. Também chamada de Pérola da Madonie, Cefalù oferece passeios românticos (talvez com uma etapa em um restaurante com vista para o mar) e praias fabulosas ideais também para os amantes do surf e windsurf.

As Ilhas Egadi

Para quem gosta de mergulhar com snorkel a área marinha protegida das ilhas Egadi é uma espécie de miragem. Localizadas ao largo da costa de Trapani, elas se cercam de águas incrivelmente claras e cenários imaculados: uma maravilha que encanta até os viajantes mais exigentes. Além das três ilhas principais, Favignana, Levanzo e Marettimo, o arquipélago inclui um conjunto de rochas e ilhotas imersas em águas cor de cobalto. Famosa por suas armadilhas de atum, Favignana oferece uma rica série de praias confortáveis (uma acima de tudo, Cala Rossa) e vistas memoráveis: não perca uma visita às pedreiras de tufos e ao jardim do ipogeo. Levanto, pequena e povoada por um punhado de casas, sequestra por sua tranquilidade. Marettimo, a mais remota, possui uma beleza integral e cavernas marinhas espetaculares.

Reserva Natural do Monte Cofano

Entre os tesouros naturalistas da costa de Trapani, está a Reserva Natural do Monte Cofano, localizada a poucos quilômetros de San Vito Lo Capo. A Reserva pode ser visitada de bicicleta de montanha ou a pé (com algumas horas disponíveis), oferece vistas encantadoras e é, juntamente com a Reserva Natural de Cigano, um destino obrigatório para os amantes da natureza. Ao redor do promontório existem caminhos marcados que atravessam palmeiras anãs, euforbias e espécies endêmicas do ambiente rochoso. Você caminha em silêncio admirando as torres de calcário e o mar no horizonte, nos quais pequenas enseadas se abrem. A subida ao topo é aventureira e recomendada apenas para os mais experientes.

Parta para a Sicília com a Costa Cruzeiros

Uma viagem à Sicília é muito mais do que umas férias na praia: é uma aventura entre os segredos da história, as maravilhas da arte e os cenários naturalistas que deixam você sem respiração. Uma experiência inesquecível também do ponto de vista gastronômico: é muito fácil se apaixonar pela culinária siciliana, com seus sabores intensos. Parta com a Costa Cruzeiros para passar umas férias doces no Mediterrâneo, entre praias e ilhas encantadoras prontas para sequestrar seu coração.

Viaje com a Costa Cruzeiros