Há cidades das quais todos nós temos uma imagem em nossa memória, mesmo que ainda não as tenhamos visto. O Rio de Janeiro é, sem dúvida, uma delas. Não só pelos seus lugares icônicos como o Cristo Redentor, com vista para toda a cidade de cima do morro do Corcovado, ou o Pão de Açúcar, com seu teleférico, mas também por sua excelência esportiva e as estruturas que entraram para a história como o Estádio do Maracanã ou o Parque do Flamengo, onde os atletas vão se exercitar ao ar livre.

Não faltam atrações na cidade, como o precioso ou o Bairro Cosme Velho, em que você pode entrar em contato com os hábitos de um povo que sempre foi capaz de transformar suas paixões em grandes eventos, como o Carnaval ou a comemoração da chegada do novo ano na praia de Copacabana. O Rio de Janeiro sempre conseguiu se renovar ao longo dos séculos, mantendo sua forte identidade e reunindo harmoniosamente edifícios modernos com outros históricos, criando cenários incomparáveis.

Assim que você chegar aqui com o seu Cruzeiro da Costa, o coração verde do Brasil vai deixá-lo sem palavras. Desde 1800, o Rio de Janeiro sabe melhorar e proteger suas áreas arborizadas e seus espaços verdes e dentro dessas áreas você poderá ver macacos, papagaios e outras aves tropicaisÁrvores gigantes e uma infinidade de floresirão recebê-lo em suas excursões para a Floresta da Tijuca ou para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, tornando-os verdadeiramente inesquecíveis. Nesses lugares você encontrará não somente belezas naturais, mas como que por encanto, você se verá diante de edifícios de épocas passadas, das ou avenidas que parecem saídos de um cenário cinematográfico. E há diversas excursões Costa para desfrutar o melhor dessa cidade única.


Você está pronto para descobrir o Rio de Janeiro? Aqui estão as 20 coisas que você não pode perder:

  • Corcovado
  • Cristo Redentor
  • Theatro Municipal
  • Bairro Cosme Velho
  • Avenida Rio Branco
  • Museu de Belas Artes
  • Museu de Arte Contemporânea de Niterói
  • Estádio do Maracanã
  • Rua Paineiras
  • Piazza Afonso Vizeu
  • Parque das Ruínas
  • Capela Mayrink
  • Floresta da Tijuca
  • Parque do Flamengo
  • Pão de Açúcar
  • Morro da Urca
  • Copacabana
  • Praia de Botafogo
  • Praia de Ipanema
  • Jardim Botânico do Rio

Corcovado

A cidade de Rio de Janeiro leva em seu coração o Corcovado ou Morro do Cristo,uma montanha de 710 metros de altura localizada no Parque Nacional da Tijuca. O Corcovado, que significa corcunda em português, abriga em seu topo a estátua do Cristo Redentor, cuja imagem é mundialmente famosa.

 

Você pode se divertir escalando o Corcovado, que é uma montanha de granito, ao longo de suas 54 trilhas, mas se você não é tão esportivo, você ainda pode chegar ao topo com o Trem do Corcovado, uma ferrovia com trens elétricos que transportam cerca de 300 pessoas por hora. Um serviço reformado em 1980, mas cuja origem remonta a 1884.

 

Ao chegar ao topo, você terá uma visão única da cidade do Rio de Janeiro, para o Pão de Açúcar, a Lagoa Rodrigo de Freitas, o Estádio do Maracanã e as praias de Copacabana e Ipanema.

Um verdadeiro símbolo da cultura brasileira, o Corcovado já teve visitantes famosos como Albert Einstein, o Papa João Paulo II e a Princesa Diana da Inglaterra. Você está pronto para subir?

Cristo Redentor

Uma das sete maravilhas do mundo estará diante dos seus olhos: a estátua do Cristo Redentor, colocado no topo do morro do Corcovado. Projetado como um símbolo do cristianismo no mundo, a estátua é agora considerado um ícone do Rio de Janeiro e do Brasil.

 

Com 30 metros de altura, erguido em um pedestal de 8 metros e representando o Cristo de braços abertos com 28 metros de comprimento em perfeito estilo Art Déco, a estátua foi construída entre 1922 e 1931 em concreto e pedra sabão. A seus pés há uma placa de 1974, em memória do centenário do nascimento de Guglielmo Marconi e para comemorar a ativação do sistema de iluminação do Cristo Redentor, com um impulso de rádio partido de Roma, pelas mãos do cientista, em 1931.

 

Projetado pelo escultor francês Paul Landowski, a estátua é hoje equipada com 3 elevadores panorâmicos e 8 escadas rolantes que permitem aos visitantes enfrentar os 222 degraus que marcam a distância entre o final da linha ferroviária e a estátua. Todo o conforto, portanto, para garantir a todos uma vista inesquecível.

Theatro Municipal

O Rio de Janeiro, no bairro central da Cinelândia, abriga o Theatro Municipal, um dos mais importantes do Brasil. É um edifício muito rico inaugurado em 1909, inspirado na Ópera Nacional de Paris, decorado por pintores e escultores como Eliseu Visconti, Rodolfo Amodeo e os irmãos Bernardelli e cujo interior é enriquecido com mosaicos e vitrais criados por outros mestres europeus. O branco de suas colunas, o ouro das decorações e o azul de sua cobertura tornam-no facilmente reconhecível e em contraste com os edifícios modernos que o rodeiam.

 

Atualmente, há 2361 assentos, mas o teatro passou por inúmeras renovações que o levaram à sua forma atual, em que o luxo externo se propaga também para dentro do salão. No porão do Teatro, você também ficará surpreso com o restaurante, construído em estilo assírio.

 

Até 1931, ano da fundação daOrquestra Municipal do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, o teatro recebeu companhias e orquestras estrangeiras, principalmente italianas e francesas, com alguns dos maiores maestros do mundo.

Bairro do Cosme Velho

Uma visita ao Rio de Janeiro também irá lhe levar para descobrir suas ruas e hábitos através de seus bairros. O Brasil está cheio de surpresas e contradições. O bairro do Cosme Velho, que está localizado na área ao sul da cidade, é um dos bairros mais frequentados pelos turistas.

 

Sua principal via é a Rua Cosme Velho, uma rua rica em vegetação e casas.Mas não é apenas a magnificência das coloridas casas neocoloniais nessa área residencial, uma das mais elegantes do Rio de Janeiro, que atrai os turistas. O bairro do Cosme Velho é onde fica a estação de trem que leva ao Corcovado e é, portanto, uma passagem obrigatória para todos que desejam subir ao topo para apreciar a vista panorâmica ou para ver a estátua do Cristo Redentor. O bairro está de fato localizado ao redor do Morro do Corcovado, entre as trilhas e cachoeiras do Parque Nacional da Tijuca.

Avenida Rio Branco

Uma das artérias mais importantes da cidade do Rio de Janeiro, onde ficam alguns dos bancos e empresas mais importantes, é a avenida Rio Branco.

 

O Rio de Janeiro manteve a sua pegada colonial até os primeiros anos da República Federativa do Brasil. Era uma cidade um tanto obsoleta e anacrônica, com um centro superpovoado e em que as epidemias se espalhavam facilmente. Com a chegada da febre amarela, iniciou-se um projeto de modernização assinado pelo engenheiro Francisco Pereira Passos, nomeado governador do Rio de Janeiro. Em 1904, 641 casas foram demolidas e surgiu a Avenida Central, que ligava o novo porto da cidade à região da Glória, que estava em forte expansão. Arquitetos de todo o mundo foram chamados para construir os edifícios, incluindo o Teatro Municipal e a Biblioteca Nacional e em 1905 as árvores começaram a ser plantadas.

 

A partir de 1912 a rua foi rebatizada Avenida Rio Branco. A partir da década de 1940, iniciou-se uma obra de construção de muitos edifícios, que dura até hoje e que está mudando progressivamente a cara da rua, que hoje conta com poucos edifícios originais.

Museu de Belas Artes

O Rio de Janeiro não é apenas a cidade do Carnaval, há também Inúmeros museus. O Museu de Belas Artes é uma das instituições culturais mais importantes do Brasil, bem como o mais importante museu de arte brasileira, que conserva principalmente pinturas e esculturas do século XIX.

 

Inaugurado em 1938 em sua sede atual, na Avenida Rio Branco, o Museu de Belas Artes tem uma história que começa bem antes, em 1904, quando o então rei de Portugal, João VI estabeleceu-se no Rio de Janeiro durante a invasão das tropas francesas, trazendo consigo numerosas obras pertencentes à coleção real. Após seu retorno a Portugal, o rei decidiu deixar as obras no Rio de Janeiro, onde continuam sendo a parte principal da coleção de arte europeia exposta no museu.

 

Visitar o Museu de Belas Artes emociona desde a fachada, que, com tantos estilos diferentes, oferece um resultado eclético. A fachada principal é inspirada no Renascimento francês, as laterais no Renascimento italiano, enquanto a parte de trás é um exemplo perfeito de estilo neoclássico.

Museu de Arte Contemporânea de Niterói

Quer descobrir os segredos da arte contemporânea brasileira? Na cidade de Niterói, no Rio de Janeiro, fica o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, um dos mais visitados do Rio de Janeiro. Não apenas as coleções expostas, mas todo o museu é uma joia da arte contemporânea. Basta dizer que só foi aberto ao público em 1996 e foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer.

 

É uma construção de dezesseis metros de altura, de cor branca, feita em concreto cru, sob a qual fica uma cúpula com 50 metros de diâmetro, que dá ao edifício uma aparência de nave espacial. Mas não é a Via Láctea que a rodeia, mas sim a água, formando uma piscina em torno da sua base.

 

No interior, três andares hospedam a coleção de John Leo Sattamini Neto, que a doou para a cidade e inclui obras dos artistas mais interessantes criadas entre 1950 até os dias de hoje.

Estádio do Maracanã

Seu nome oficial é Estádio Jornalista Filho, mas fãs de futebol de todo o mundo o conhecem como Maracanã. É oestádio brasileiro por excelência. Uma visita ao Rio de Janeiro permitirá que você visite o local que sediou a Copa do Mundo e outros eventos esportivos importantes em diversas ocasiões.

 

Surgiu com o intuito de sediar a primeira Copa do Mundo do pós-guerra, em 1950, projetado pelo engenheiro Paulo Pinheiro Guedes. Recebeu o nome do jornalista Mario Filho em 1964 e o apelido de Maracanã, que na língua indígena Tupi significa papagaio, foi dado em homenagem ao rio que deságua no bairro, que sempre fora habitado por uma espécie especial de papagaios.

 

O Maracanã é impressionante, com sua planta circular, campo de grama e um fosso de 3 metros de profundidade ao seu redor. Na parte interna, você também pode visitar o museu Manoel Francisco dos Santos, mais conhecido como Garrincha, mas será impossível não lembrar do gol marcado aqui por Pelé, que chegou ao gol número mil em sua carreira de grande campeão.

Estradas das Paineiras

A Estrada das Paineiras, no Rio de Janeiro, não é a clássica rua urbana cheia de lojas e outros tipos de atrações: é uma rua no meio do verde, ao longo da qual seus olhos podem repousar sobre as maravilhas da natureza brasileira.

 

Na Estrada das Paineiras, você pode escalar o Corcovado para chegar até a estátua do Cristo Redentor, seja a pé ou de bicicleta. Assim, você pode aproveitar muitas áreas equipadas, onde você pode encontrar água, parar para recuperar o fôlego ou tirar algumas fotografias da vista.

 

Estreita e sinuosa, com seus oito quilômetros e meio de comprimento no coração de uma das maiores florestas urbanas do país, a Estrada das Paineiras está situada na área do Parque Nacional da Tijuca.

Praça Afonso Vizeu

Você pode optar por chegar lá de jipe, para se sentir ainda mais aventureiro, se divertindo correndo pela mata verde, ou então a pé, caminhando ao longo da pitoresca Estrada das Paineiras. Não importa como você vai chegar lá, a felicidade sempre será a mesma na chegada. A praça Afonso Vizeu irá lhe cativar com sua simplicidade e vista esplêndida.

 

No Rio de Janeiro, a Praça Afonso Vizeu é muito conhecida entre todos os esportistas que gostam de se encontrar lá antes de entrar no Parque Nacional da Floresta da Tijuca para treinar. Em 1903 foi criado um gazebo semelhante ao que se pode ver hoje dentro do parque, conhecido como Vista chinesa, para permitir a realização de shows populares.

 

No meio da praça está localizado uma grande fonte de granito, construída em 1848 pelo famoso arquiteto francês Auguste Victor Grandjean de Montigny, que influenciou muito o desenvolvimento da arquitetura no Brasil. Inicialmente projetada para a Praça Onze de Junho, a fonte encontrou sua localização final no centro da Praça Afonso Vizeu.

Parque das Ruìnas

O Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas é um parque público na região de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, onde você pode curtir vistas incomparáveis para a Baía de Guanabara e para o centro da cidade.

 

Foi a residência da mecenas Laurinda Santos Lobo, uma rica herdeira bem relacionada na sociedade, que viveu entre o Rio de Janeiro e Paris. Laurinda adorava cercar-se de intelectuais e artistas do início do século 20. O parque ainda mantém uma forte ligação com a cultura e muitas vezes recebe shows ao ar livre e conta com uma galeria de arte.

 

Em 1993, o governo comprou a propriedade, que estava abandonada há mais de 40 anos, e se encontrava em grave estado de degradação, depois de ter sido saqueada e ocupada por muito tempo, e decidiu então renová-la. Em 1997, os restos do edifício original foram transformados em um centro cultural pelo arquiteto Ernani Freire, que soube manter a estrutura dos edifícios originais, mas dando-lhes um ar mais contemporâneo. Um projeto arquitetônico que irá surpreendê-lo tanto quanto a sua vista panorâmica!

Capela Mayrink

A 460 metros acima do nível do mar, dentro do Parque Nacional da Floresta da Tijuca, você pode encontrar um edifício cor-de-rosa, que parece ter saído de um livro de histórias infantis. Trata-se da Capela Mayrink.

 

A história da Capela Mayrink começou em 1850, quando o Visconde de Souto, um influente banqueiro brasileiro, comprou a fazenda Boa Vista, que pertencia ao Conde Gestas. Dentro da propriedade havia um pequeno Palácio em estilo toscano, com colunas que sustentavam uma capela em homenagem à Nossa Senhora de Belém.

 

Quando o banco faliu em 1864, o Visconde teve que vender a fazenda, que passou de mão em mão até se tornar propriedade do Conselheiro Mayrink, que lhe deu seu nome. Em 1897 foi expropriada para então se tornar parte do Parque Nacional da Tijuca, mas a Capela não foi demolida. Os habitantes de Boa Vista adornaram a capela com obras de Cândido Portinari, enquanto o paisagista Roberto Burle Marxsupervisionou o projeto paisagístico ao seu redor.

Floresta da Tijuca

A Floresta da Tijuca é hoje conhecida como a floresta tropical que caracteriza o Rio de Janeiro. Também está entre as maiores florestas urbanas do mundo, ao lado das florestas de Joanesburgo e Singapura.

 

A palavra Tijuca significa pântano na língua Tupi e a floresta compartilha seu nome com os bairros próximos da Tijuca e Barra da Tijuca, que dão acesso à área. Essa região já foi muito diferente do que vemos hoje, as áreas ao redor do Rio de Janeiro foram desmatadas para dar lugar a plantações de açúcar e café. Foi só a segunda metade do século 19 que o prefeito Manuel Gomes Archer começou um reflorestamento para proteger os recursos hídricos da cidade.

 

Em 1961, a Floresta da Tijuca foi declarada Parque Nacional. Em seu interior, encontram-se a escultura do Cristo Redentor, a Montanha do Corcovado e a Capela Mayrink. Além disso, a floresta também abriga centenas de espécies de plantas e animais, alguns dos quais estão ameaçados de extinção.

Parque do Flamengo

O Brasil, como você sabe, é uma terra de grandes nomes dos esportes. Não é por acaso, portanto, que a cidade de Rio de Janeiro está cheia de locais para praticar. É possível chegar ao Rio e conhecer algum craque se exercitando por ali, especialmente quando você estiver visitando o Parque do Flamengo.

 

O Parque Brigadeiro Eduardo Gomes é o maior parque do Rio de Janeiro, com seus 300 hectares de área verde urbana ao ar livre. E pensar que os moradores ainda a chamam deAterro , ou seja, um local para descarte de resíduos, porque o local foi criado a partir do aterramento de uma parte da baía. A área também passou a abrigar o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e uma escultura em memória dos soldados que perderam suas vidas durante a Segunda Guerra Mundial.

 

No Parque do Flamengo você pode praticar todos os esportes, de corrida até tênis, e inclusive jogos de equipe como vôlei ou basquete. Prepare os seus tênis!

Pão de Açúcar

Uma visita a Rio de Janeiro não está completa se você não for ao Pão de Açúcar. Um dos símbolos do Brasil, mundialmente famoso, é essa montanha que se estende da Baía de Guanabara até 396 metros acima do nível do mar, para então mergulhar noOceano Atlântico em um maravilhoso jogo de cores que oscila entre o verde e o azul.

 

Em 1º de março de 1565, Estácio de Sá fundou a cidade do Rio de Janeiro nas encostas desta montanha, estabelecendo ali uma estrutura defensiva. Desde então, foram incontáveis as pessoas que subiram essa montanha, especialmente a partir de 1912, quando foi ativado o Teleférico para chegar ao topo.

 

A vista do Pão de Açúcar é espetacular e vai da cidade até as praias, e é especialmente romântica no pôr-do-sol. Mas se você fizer o tipo romântico, também pode praticar Trekking, escalada ou pescar logo na sua encosta.

Morro da Urca

O Rio de Janeiro é uma cidade onde as montanhas e morros não são apenas uma moldura, mas estão inseridas no tecido urbano. Um lugar perfeito para receber turistas e moradores que gostam de se manter ativos.

 

O Morro da Urca, 220 metros acima do nível do mar, é considerado por muitos como o lugar onde se troca de Teleférico para subir até o Pão de Açúcar. Você vai descobrir que, mesmo a partir da Urca você pode desfrutar de uma vista maravilhosa, que rende fotos incríveis.

 

Muitos seguem a pé a trilha até o topo do moro. É uma caminhada de quarenta minutos que pode parecer difícil a princípio, mas se torna mais simples à medida que a escalada evolui. Para os corajosos há outra surpresa: você também pode conhecer alguns macacos!

Copacabana

Copacabana é sinônimo de praia e diversão. E com os seus 6 quilômetros de areia, é fácil ver porquê esse local na zona sul do Rio de Janeiro se tornou mundialmente famoso. Uma área habitada por 400.000 pessoas, cheia de hotéis, restaurantes, bares e casas noturnas só pode atrair turistas que querem se divertir dançando a noite toda ou beber alguns coquetéis na praia.

 

Mas em Copacabana você também pode praticar esportes à beira-mar. A Praia de Copacabana está equipada para todos os esportes e muitas vezes foi sede de grandes eventos como a Copa do Mundo de Futebol de Praia da FIFA ou as competições masculinas e femininas de vôlei de praia nos Jogos Olímpicos.

 

Em 1981, Copacabana se tornou um bairro independente da cidade do Rio de Janeiro, mas até o século XVIII era uma área que ficava fora da cidade e se chamava Sacopenapa. O nome foi alterado após a construção de uma capela que abrigava uma imagem da Virgem de Copacabana, muito reverenciada na América do Sul.

Praia de Botafogo

O Rio de Janeiro tem 70 praias, mas uma das mais fotografadas do mundo é a Praia de Botafogo. Apenas 700 metros de praia que se curvam de forma a quase abraçar o espelho do mar à sua frente, e de longe, uma vista única para o Pão de Açúcar e para o Morro da Urca. Daqui, você também pode ver o impressionante Estádio Maracanã, e em dias claros você também verá o Cristo Redentor.

 

A praia de Botafogo também é popular entre os brasileiros, que a escolhem para praticar esportes, fazer caminhadas ou pedalar pela ciclovia que a conecta ao Parque do Flamengo e, para o outro lado, desemboca em Copacabana.

 

Para os consumistas, há um shopping em frente à praia, um terraço no último andar que oferece vistas deslumbrantes da baía, e que também recebe shows.

Praia de Ipanema

É impossível pensar em Ipanema sem lembrar da música "Garota de Ipanema", ícone da bossa nova. Um sucesso musical mundial que tornou a praia famosa em todo o planeta. A Praia de Ipanema é adequada para relaxamento e para a prática de esportes na areia: dois quilômetros e seiscentos metros de areia recebem turistas em um cenário que tem o Morro Dois Irmãos como pano de fundo. O bairro de Ipanema, atrás da praia, com suas largas avenidas arborizadas, está repleto de bares, restaurantes e lojas refinadas.

 

Para tomar sol na praia de Ipanema, você pode escolher o melhor lugar simplesmente dando uma olhada nos outros banhistas: a praia é dividida em diferentes áreas, de acordo com as numerações das posições de resgate, e geralmente cada posto tem um perfil que atrai diferentes tipos de frequentadores. O posto 9, por exemplo, é o mais famoso e descolado, enquanto no Posto 7, você pode encontrar inúmeras crianças das favelas circundantes que constroem seus próprios castelos de areia.

Jardim Botânico do Rio

Uma caminhada pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro vai fazer você sonhar. O parque, que está localizado no sopé do Corcovado, vai recebê-lo com um corredor de palmeiras que dá entrada aos seus 137 hectares.

 

O Jardim Botânico foi fundado em 1808 pela Rei João VI de Portugal, com o intuito de aclimatar algumas plantas importadas, mas em 1822 foi aberto ao público como Parque. Como não se surpreender com as 11.000 espécies de plantas, que vão de lírios d’água que que colorem lagoas a orquídeas sensuais?

 

A visita ao Jardim Botânico é enriquecida pela presença de alguns edifícios históricos encontrados na área, como a Casa dos Pilões ou a Casa dos Cedros e a entrada da Academia de Belas Artes, projetada por Grandjean de Montigny. Não perca o Jardim japonês, criado em 1935 com uma doação de 65 espécies de plantas orientais. O Jardim Botânico também é habitado por centenas de espécies de aves, que encontram abrigo entre seus ramos.

Viaja para Rio de Janeiro com Costa Cruzeiros

 

O Rio de Janeiro é uma cidade cheia de contradições e cores. Fazer uma parada com o seu Navio da Costa Cruzeiros na antiga capital do Brasil será uma experiência incrível. Você vai ver panoramas incríveis se visitar o Pão de Açúcar ou o Cristo Redentor, ou poderá andar em praias de cartão postal, como Copacabana ou Ipanema. Mas não só isso: você também terá a oportunidade de ver os palácios que fizeram a história da cidade e, acima de tudo, irá respirar a atmosfera única desse país!

Viaje com a Costa Cruzeiros