É uma cidade sempre em crescimento que sabe como desempenhar muitos papéis. Montevidéu, a capital do Uruguai, tem vista para a costa norte do Río de la Plata, e é caracterizada por um clima temperado úmido com invernos amenos, raras ocorrências de neve, mas esses meses, majoritariamente nublados, são caracterizados pelo vento, chamado de vento "pampero".

Sua história é cheia de miscigenação e lutas, que deixaram vestígios e testemunhos na arte, na cultura e nas tradições. Diz a lenda que Montevidéu teria sido assim nomeada após a exclamação de um soldado português, membro da expedição de Magalhães, que ficou surpreso ao ver uma montanha em uma região tão plana e gritou "Monte vide eu". A cidade foi fundada pelos espanhóis em 1724, começando com uma guarnição militar construída pelo governador de Buenos Aires, Bruno Mauricio de Zabala. Desde o século XVIII, graças ao seu porto natural e à sua ligação com Buenos Aires, Montevidéu se firmou como um importante centro econômico especializando-se na exportação de peles e carne seca.

 

Há quem a chame de cidade "das longas noites" ou "das mil faces". Vai desde a aspereza do porto industrial até os bairros exclusivos de frente para o mar. No histórico bairro de negócios no centro da cidade, edifícios art déco e neoclássicos disputam espaço com arranha-céus. Na região sudeste, a cidade mistura shopping centers com resorts à beira-mar e edifícios altos e modernos. A cena musical, teatral e artística está sempre se renovando, em espaços que vão de elegantes teatros de época a clubes de tango acolhedores e casas noturnas na praia.

Mas não termina aí: Montevidéu é uma cidade para desfrutar. Para os amantes da carne é um paraíso, há muitos lugares onde você pode se deliciar com um Asado, que é mais do que um simples um churrasco: há de fato todo um processo a seguir para preparar o fogo e para o cozimento da carne, que vai além do conceito tradicional de grelhar. As carnes são cozidas lentamente e são macias, suculentas e com um sabor inconfundível. O Chivito, por sua vez, é um sanduíche recheado de bife cortado em fatias, legumes, queijo, azeitonas e picles.  

Descubra conosco quais são as paradas imperdíveis:

  • Calçadão de Montevidéu
  • Cidade Velha de Montevidéu
  • Plaza Independencia
  • Palácio Legislativo
  • El Prado
  • Parque Batlle
  • Obelisco dos Constituintes
  • Estádio centenário
  • Bairro de Carrasco
  • Rambla de Montevidéu

Calçadão de Montevidéu

A calçada liga o centro da cidade aos bairros de Punta Carretas, Pocitos, Buceo e Carrasco. Você pode passear por lá pela manhã ou perto do pôr-do-sol quando os habitantes se reúnem para caminhar e "tomar mate", uma famosa bebida feita a partir da infusão de uma erva sul-americana. É um dos lugares mais amados pelos moradores, não só pelas muitos praias de fácil acesso, mas também pelas muitas atividades que podem ser realizadas durante o tempo livre: caminhadas relaxantes, corrida, yoga, patins, skate. Essa enorme avenida passa por muitos lugares importantes da cidade, como o porto e a cidade velha.

Cidade Velha de Montevidéu

É o centro histórico da cidade, um lugar onde o passado e o presente coexistem entre edifícios históricos, livrarias e vida agitada. Para descobrir esse coração pulsante da cidade, basta ter um espírito curioso. Por ali, encontramos edifícios coloniais, barrocos e clássicos de grande valor arquitetônico e histórico. Originalmente, o local era residencial, mas ao longo dos anos foi sendo ocupado por escritórios e lojas, transformando-se no centro financeiro do país. A Ciudad

Vieja vai do Mercado del Puerto a Puerta del Sol e está cheio de clubes, restaurantes e, acima de tudo, daquilo que é o verdadeiro espírito da cidade. Não deixe de ir no Mercado del Puerto, outrora o porto mais bonito da América do Sul, agora transformado em um centro pitoresco e animado, repleto de restaurantes e mercados.

É um lugar animado e cheio de vida, especialmente nos fins de semana, e ponto de encontro para artistas da cidade, artesãos e músicos de rua. Um dos lugares mais espetaculares para comer carne uruguaia. Sua enorme estrutura de ferro abriga uma dúzia de restaurantes. Não espere um lugar bem conservado, mas mais do que qualquer coisa, é um lugar onde você pode respirar o verdadeiro folclore local, entre edifícios pitorescos e ricos em história, que permite que você viva Montevidéu na plenitude de sua alma.

Há também vários museus que mostram a história uruguaia, como o Museu de Arte Pré-Colombiana e Indígena, o Museu do Carnaval e o Museu do Tango. Nos últimos anos, escritores e artistas de rua cobriram as paredes cinzentas com belos grafites e as casas abandonadas foram transformadas em cafés modernos, criando uma mistura vintage extraordinária que fez da Ciudad Vieja um lugar fervilhante e cosmopolita novamente.

Plaza Independencia

A Plaza Independencia é a principal praça de Montevidéu, e fica nos limites com a Ciudad Vieja, centro histórico da cidade, e com a Área Central, antigamente conhecida como Ciudad Nueva. A praça foi originalmente projetada peloArquiteto italiano Carlo Zucchi, em 1837, quando decidiram expandir a cidade segundo o projeto do novo plano urbanístico. O trabalho foi inspirado por seus professores Percier e Fontaine, autores da Rue de Rivoli, em Paris. A praça como é hoje, no entanto, resultou de mudanças no projeto feitas por Bernardo Poncini em 1860.

A principal atração é o monumento José Gervasio Artigas, uma estátua equestre dedicada ao herói nacional uruguaio, abaixo do qual há um mausoléu contendo seus restos mortais. Um detalhe importante é o baixo-relevo da base, que representa o êxodo do povo oriental. Ao redor da praça estão alguns dos edifícios mais importantes da cidade: descendo a Avenida 18 de Julio em direção à cidade velha encontramos o Palacio Salvo, ao lado do Palácio Estevez, o Edifício Ciudadela, o Teatro Solis, o maior teatro da capital uruguaia e o segundo maior da América do Sul. Os shows mais importantes do Uruguai acontecem aqui, mas o Teatro Solis é uma atração turística apenas por si só, por causa de sua estrutura impressionante e elegante.. Por fim, há a Puerta de la Ciudadela, que, como o nome sugere, abre as portas para a cidade velha de Montevidéu.

 

A praça também muitas vezes é palco de grandes eventos em Montevidéu. O mais surpreendente, no entanto, é a estranha torre no canto da praça: uma estrutura de 95 metros de altura, com uma cúpula no topo. Originalmente, o Palacio Salvo foi pensado para ser um farol, potente o suficiente para fazer sua luz chegar a Buenos Aires, para estabelecer um vínculo eterno entre as duas cidades. Infelizmente, entretanto, percebeu-se que a luz atrapalhava os barcos, e assim foi desativado, e a torre foi usada para abrigar escritórios, lojas e apartamentos. Mas você ainda pode subir ao topo e apreciar a vista magnífica.

Palácio Legislativo

O Palácio Legislativo de Montevidéu é o edifício sede do poder legislativo do Uruguai. O edifício foi inaugurado em 25 de agosto de 1925 como uma homenagem aos 100 anos da Declaração da Independência: no seu interior, estão a Câmara dos Deputados, o Senado e a Assembleia Geral. Graças ao seu valor arquitetônico indubitável, o palácio vai muito além de sua importância política, tendo se tornado uma das principais atrações turísticas da capital uruguaia. O edifício foi construído entre 1908 e 1925, segundo projeto de Vittorio Meano, com obras confiadas ao arquiteto italiano José Moretti, assistido pelo arquiteto uruguaio Eugenio Baroffio. A escolha do lugar estava longe de ser coincidência: a ideia era, de fato, tomar de modelo a Place de la Concorde, em Paris, estruturando o edifício de tal forma que pudesse ser alcançado a partir de diversas ruas e se tornasse assim um ponto de referência dentro da infraestrutura urbana da cidade.

 

O estilo é neoclássico e o interior é dividido em três corredores principais. Além dos gabinetes parlamentares, o Palácio Legislativo comporta uma biblioteca pública, a segunda maior do país, com uma vasta coleção que cresceu ao longo do século passado.

El Prado

El Prado é um bairro residencial em Montevidéu localizado fora da parte central da cidade. É uma das áreas mais tranquilas da capital, onde várias moradias e elegantes residências estão localizadas. O Prado cobre uma área de 106 hectares e hoje também é usado para sediar exposições e eventos. No interior, convivem lado a lado marcas culturais e históricas. A poucos quarteirões de distância, por exemplo, está o Museu Municipal de Belas Artes Juan Manuel Blanes, onde ficam as telas de Juan Manuel Blanes e Pedro Figari, dois mestres uruguaios. Esse museu abriu em 1930 e é uma reminiscência das clássicas villas italianas construídas em estilo renascentista.

O Museu de Belas Artes conserva pinturas antigas, além de apresentar obras e projetos de outros artistas nacionais e internacionais. Não deixe de visitar o jardim japonês ao redor. Ainda sobre natureza, outro lugar para admirar é o Jardim Botânico, um repositório de mais de mil espécies de plantas e Rosaleda del Prado, jardim de rosas que irá despertar o entusiasmo dos amantes dessa flor cheia de histórias e referência na literatura.

Inaugurado em 1912, o jardim de rosas foi dedicado à poetisa uruguaia Juana de Ibarbourouil. Perto dali estão o majestoso hotel Prado e a residência presidencial. O ex-presidente uruguaio José "Pepe" Mujica também se tornou famoso por ter aberto as portas da residência oficial para os sem-teto, para que pudessem se abrigar do frio no inverno. O chefe de Estado havia determinado que, "se necessário", uma área do próprio Palácio Presidencial Suarez y Reyes deveria abrigar os sem-teto.

Parque Batlle

Localizado ao sul da Avenida Italia e ao norte da Avenida Rivera, duas das ruas mais importantes de Montevidéu, você vai encontrar o bairro Parque Batlle, que leva o mesmo nome do grande parque que foi projetado no centro. Tem casas elegantes com jardins muito bem cuidados. A área verde de 76 hectares é perfeita para caminhadas, esportes e atividades recreativas em geral. Dentro dele, há três caminhos. Originou-se da doação de 11 hectares pelo proprietário António Pereira em 1906. Os aficcionados por história podem visitar vários monumentos na região.

Como o Obelisco de Montevidéu e o monumento La Carreta, obra do escultor José Belloni, que recebeu inúmeros prêmios. Foi inaugurado em outubro de 1934 e declarado monumento histórico em 1976. É uma estrutura com 22 metros de comprimento, que pesa cerca de 150 toneladas: consiste em uma carroça de boi e um gaúcho a cavalo, que ficou atolado em um lago. O monumento é feito de bronze e tem uma base de granito rosa. Simboliza e homenageia os meios de transporte e o trabalho diário do agricultor. A escultura fica em uma colina verde ao lado de um lago artificial no parque, do lado oposto do Estádio centenário.

Obelisco dos Constituintes

O obelist dos constituintes, datado de 1830, é uma obra de bronze e granito do escultor uruguaio José Luis Zorrilla de San Martin, um dos monumentos mais importantes de toda a nação. Inaugurado em 1938, homenageia os participantes da Assembleia Geral Constituinte e da Assembleia Legislativa do Estado, que redigiu aPrimeira constituição do Uruguai, em 1830. Esse obelisco de 40 metros de altura foi construído inteiramente em granito rosa uruguaio. Em sua face oeste, foi gravada a inscrição "Aos membros de 1830." Inclui três estátuas de figuras femininas em bronze, a 5 metros de altura, representando aLei, a Força e a Liberdade. Na parte inferior de cada uma das estátuas femininas há uma torneira a partir da qual a água jorra sobre a fonte hexagonal localizada no obelisco. O obelisco fica em uma pequena praça no centro da cidade, onde termina a Avenida 18 de Julio e começa o Parque Batlle.

Estádio centenário

Estádio centenário é lendário porque sediou a final da primeira Copa do Mundo, na qual a seleção uruguaia venceu a Argentina por 4x2 na frente de mais de 80.000 espectadores em 1930. Desde então, a seleção uruguaia joga suas partidas em casa aqui. O arquiteto foi Juan Antonio Scasso, que projetou uma enorme instalação, destinada a sediar grandes eventos esportivos. Os trabalhos começaram em 21 de julho de 1929, dirigidos por Scasso e realizados com o trabalho de centenas de operários.

Esses se dividiam em três turnos de trabalho, de modo que a obra prosseguia ininterruptamente. Além disso, os diferentes setores do estádio foram atribuídos a construtores diversos. Tudo isso para que a grande obra fosse concluída para a abertura da Copa do Mundo do próximo ano, que começaria em 13 de julho de 1930. Mas nos meses seguintes chuvas torrenciais atingiram Montevidéu, atrasando muito a construção. Foi assim que, apesar do esforço das equipes de trabalhadores, o fim do trabalho atrasou alguns dias: a partida inaugural, entre França e México teve que ser "realizada" no pequeno estádio de Pocitos, onde cabiam apenas 1.000 espectadores. Posteriormente, o Centenário, além das eliminatórias oficiais da Copa do Mundo e amistosos da seleção uruguaia, também sediou grandes eventos do futebol internacional, ou seja, boa parte das partidas e finais de algumas edições da Copa América.

A importância do Centenário para a história do futebol foi sancionada pela Fifa, que, em 18 de julho de 1983, o declarou monumento do futebol mundial. Seu nome decorre do fato de que, no ano de sua abertura, 1930, o Uruguai comemorou o centenário da promulgação da primeira Constituição da República (que ocorreu em 1830).

O estádio também abriga um Museu do Futebol. Ali, você pode aprender tudo o que precisa saber sobre a história e os prêmios vencidos pelo Uruguai no futebol. Você poderá ver uma grande variedade de exposições na qual são exibidos troféus, camisetas assinadas e usadas durante a primeira final da Copa do Mundo. A paixão pelo futebol envolve toda a cidade, que tem 15 times de futebol, tanto que o campeonato nacional é quase sempre um clássico entre as equipes da capital (e geralmente triunfam o Peñarol e o Nacional).

Bairro de Carrasco

O que torna o bairro de Carrasco especial e diferente de qualquer outro bairro é que a prefeitura proíbe a construção de edifícios com mais de três andares de altura. Os seus múltiplos espaços abertos e casas com enormes canteiros fazem dele um dos lugares mais caros para se viver em Montevidéu. Cerca de 100 anos atrás, as pessoas que viviam em Pocitos, Centro ou Ciudad Vieja tinham uma segunda casa em Carrasco, portanto o bairro, localizado na costa sudeste da cidade, era principalmente um lugar para passar os finais de semana. Hoje em dia, as famílias vivem aqui o ano todo.

Uma das razões é o seu ambiente, a sua localização, mas também porque a área é menos lotada do que qualquer outro bairro da cidade. A área também está crescendo economicamente. Mais e mais empresas optam por operar aqui a cada ano, então a área comercial do bairro se desenvolveu de forma muito rápida e exponencial. Carrasco tem uma longa praia de areia e fica perto do aeroporto principal do Uruguai. O nome do bairro vem de Salvador Sebastian Carrasco, um dos primeiros colonos de Montevidéu. Uma das principais atrações de Carrasco é a Igreja Stella Maris, uma paróquia católica construída em 1918. Foi uma das primeiras estruturas em Carrasco, dedicada a Nossa Senhora, Estrela do Mar. Há também o Sofitel Carrasco Hotel, um imponente edifício do início do século 20 que mescla história e tradição.

 

Outro bairro para descobrir é Pocitos. Embora muitos de seus edifícios sejam modernos, Pocitos é, na verdade, um dos bairros mais antigos de Montevidéu. Com uma tradução que significa "pequenos buracos no chão", o nome Pocitos remonta ao período colonial, quando as mulheres iam para o rio lavar roupas em pequenos buracos feitos no chão. Nessa área, antigas casas renovadas convivem perfeitamente com as torres mais altas da cidade.

Os prédios construídos em frente ao mar são algumas das propriedades mais caras em Montevidéu. A Rambla de Pocitos, nome dado ao calçadão de Montevidéu, oferece uma das vistas mais espetaculares do Río de la Plata. Durante o verão, a calçada fica sempre lotada e sua praia também é uma das mais populares da cidade.

Rambla de Montevidéu

La Rambla é uma antiga palavra espanhola que se refere a um leito de rio seco que é usado como estrada, com origem na palavra árabe ramal, que significa "areia". Em Montevidéu a rambla corre ao longo das margens do Río de la Plata e continua ao longo da costa por mais de 22 quilômetros. É também o caminho para chegar às praias. As orlas (Rambla de Francia, Rambla de Gran Bretaña e Rambla República Argentina) irão lhe proporcionar uma vista fascinante e mágica para a maravilhosa baía de Montevidéu, onde você talvez possa apreciar a vista tomando coquetéis entre os muitos moradores que desfilam por ali.

Viaja para Montevidéu com Costa Cruzeiros

 

História, arte, folclore, natureza, esportes formam uma mistura extraordinária que faz de Montevidéu um destino que vale a pena descobrir, cheio de atrações e atividades. Das longas praias da costa às arquiteturas modernas, passando por monumentos ricos em história, a capital do Uruguai reserva várias surpresas inesperadas.

É uma cidade pitoresca e cosmopolita, que se estende pelo Río de La Plata, com ruas e palácios que combinam estilo italiano com arquitetura colonial eart déco. Ela também é conhecida por ter hospedado Giuseppe Garibaldi, que viveu aqui por nove anos. Com um belo porto natural, a Cidade Velha ocupa uma pequena península de 14 quarteirões, onde vale a pena vagar a pé sem um destino definido, mas também é uma área cheia de lugares para se divertir ou relaxar. Graças às suas influências culturais, em Montevidéu a festa não para.

Aos domingos, os bairros de Palermo e Barrio Sur, os mais coloridos, tradicionais e animados da cidade, com vista para o Río de la Plata, ressoam ao som da percussão com os ritmos do candombe, a música-dança que veio da África junto com os escravos. Uma mistura de cultura, natureza e pequenas surpresas para descobrir: basta partir para Montevidéu para curtir férias cheias de novidades e oportunidades.

Procure seu próximo cruzeiro