Localizada dentro da comunidade autônoma da Andaluzia , Córdoba é uma ponte entre o passado e a modernidade. Essa cidade com mil anos de história, declarada Patrimônio da Humanidade, é um resultado "vivo" dos diferentes povos e culturas que passaram por ela ao longo de sua história. Poucos lugares no mundo podem clamar ser a capital da tardia "Hispânia", sob o domínio do Império Romano e capital do califado omíada. Esplendor que, além de tudo, se faz sentir no fervor desse centro de conhecimento e cultura que deu origem a figuras como Sêneca, Averróis ou Maimônides.

Caminhar pelo centro histórico de Córdoba significa descobrir uma bela rede de ruas estreitas, praças e pátios de cor branca dispostos em torno de prédios ou palácios medievais que valorizam sua história e a tornam única. Sem esquecer seu passado esplêndido, Córdoba é uma cidade moderna que se adaptou aos tempos atuais para oferecer as mais modernas infra-estruturas e serviços, além de uma ampla variedade de hotéis e restaurantes onde você pode saborear especialidades típicas ou fazer uma pausa cheia de sabor. Vamos juntos descobrir quais atrações são imperdíveis.

  • Mesquita
  • Sinagoga
  • Bairro Judeu (Juderia)
  • Alcácer e os jardins
  • Porta da Ponte, Portão de Almodóvar e Porta de Sevilha
  • Torre da Malmuerta
  • Pátios de Córdoba
  • Capela de São Bartolomeu
  • Plaza de la Corredera
  • Mausoléus Romanos
  • Hammam Al Andalus

Mezquita

Chamam-na de "rainha dos olhares". Em Córdoba, ninguém hesita em indicar a Mesquita-Catedral como símbolo e joia da cidade. É um Patrimônio da Humanidade desde 1984. Sua história resume toda a evolução do estilo omíada na Espanha, além dos estilos gótico, renascentista e barroco da arquitetura cristã. O local que a Mesquita-Catedral ocupa hoje parece ter sido dedicado, desde os tempos antigos, ao culto de diferentes divindades. Sob o domínio visigodo, foi construída e compartilhada onde antes era a basílica de São Vicente. Quando a população muçulmana começou a crescer, o edifício foi adquirido por Abderraman I e destruído para a construção de uma mesquita. Atualmente, alguns elementos da construção original estão integrados à mesquita.

A grande mesquita é composta de duas áreas distintas, o pátio onde fica localizado o minarete (debaixo da torre da Renascença) e a sala de orações. O espaço interno é organizado em uma sucessão de colunas e pórticos de duas cores, assumindo grande efeito cromático. Existem cinco áreas nas quais o recinto é dividido, sendo que cada uma corresponde aos diferentes prolongamentos que foram feitos.

Basta colocar o pé no Patio de los Naranjos e você sentirá como se tivesse voltado a outra era. De lá, é possível tirar algumas fotos esplêndidas da torre do sino, cercada por palmeiras e laranjais. A iluminação sóbria dá um ar quase sobrenatural ao espaço dominado por colunas e arcos com tons vermelhos e amarelos. Ao chegar a maqsura, a área reservada ao califa, você perceberá que está visitando um dos lugares mais incríveis da Espanha.

Sinagoga

Única na Andaluzia e obra do período medieval mais bem preservada de toda a Espanha, a Sinagoga de Córdoba está localizada no bairro judeu. Construída entre 1314 e 1315, de acordo com as inscrições encontradas na construção, serviu de templo até a expulsão dos judeus. Agora vamos começar a visita. O pátio leva a um pequeno átrio. As escadas, que ficam à direita, levam ao que era a ala feminina.

De frente para elas, abre-se a sala principal. A planta quadrangular é finamente decorada com estuques e ornamentos. A parede que sustenta a ala feminina é sustentado por três arcos adornados com belas peças feitas em gesso. Em 1492, quando os judeus foram expulsos, o templo se tornou um hospital. Depois por muitos anos foi usada como uma creche. Somente no final de 1800, tornou-se um monumento nacional.

Bairro judeu

Após a visita à mesquita, deixe-se perder nos becos do bairro judeu (Juderia) de Córdoba, onde os judeus viveram entre os séculos 10 e 15. Comece a caminhada pela Calleja de las Flores, uma bela rua cheia de casas brancas e vasos coloridos, de onde você pode avistar a torre da mesquita. Esse é um dos cantos mais fotografados da cidade. Os judeus que fugiram das várias perseguições encontraram refúgio aqui, e o bairro se tornou um centro cultural e espiritual, num verdadeiro espírito de partilha.

Não faltam atrações para visitar, mas é sobretudo o olhar que deve direcionar a sua caminhada. Viaje pelo charme deste bairro com suas ruas estreitas, belas praças, prédios brancos decorados e varandas que emanam cores graças às flores que estão por toda parte. Entre as curiosidades, também está o fato de o bairro abrigar o Museu Municipal de Arte Taurina. Trata-se do único museu desse tipo localizado fora de uma arena.

O Museu de Touradas de Córdoba é um dos mais importantes da Espanha. Possui sete salas que contam a história das touradas na cidade. O museu também exibe peças e objetos originais dos melhores toureiros de Córdoba: Lagartijo, Manolete, Guerrita, Machaquito e El Cordobés. Na sala dedicada a essas cinco estrelas do mundo das touradas, há figurinos, capuzes, retratos e painéis explicativos sobre suas carreiras. Você também pode assistir a um documentário sobre a relação entre o toureiro e o touro no momento da luta. Outra curiosidade é que o museu exibe imagens de touradas em Portugal e na América do Sul.

Real Alcácer e os jardins

O Real Alcácer, fortaleza e palácio de paredes intransponíveis, guarda em seu interior grande parte da evolução arquitetônica de Córdoba. Resquícios romanos e visigodos coexistem com outros de origem árabe nesse majestoso edifício, pois era o lugar favorito dos vários governantes da cidade. Quando, em 1236, Córdoba foi conquistada por Fernando III , a construção, que fazia parte do antigo palácio do califado, ficou completamente devastada. Alfonso X iniciou sua restauração, concluída durante o reinado de Alfonso XI. Ao longo da história, tem sido utilizado para diversos fins, como sede do Santo Ofício (Inquisição) ou prisão (na primeira metade do século XIX).

O visitante que vê essa fortaleza pela primeira vez é surpreendido por uma construção quase retangular, com grandes paredes de blocos de pedra e quatro torres que marcam os cantos. As diferentes partes se articulam em torno de jardins com flores exóticas e coloridas, ervas aromáticas e árvores frondosas. Os quartos e corredores tem cúpulas em estilo gótico. Um sarcófago pagão do século III fica em exibição em uma das galerias de acesso. Na fachada, mostra um relevo, uma alegoria da passagem dos mortos rumo à vida após a morte através de uma porta entreaberta.

Entre todas as salas, destaca-se uma pequena capela barroca: a Sala dos Mosaicos, onde são exibidas peças romanas. Abaixo dessa sala, ficam os banheiros de inspiração árabe, divididos em três salas com clarabóias estreladas. Eles se comunicam com a caldeira localizada sob a torre de Tributo. Dos dois pátios, o Mudéjar chama a atenção por sua beleza. Com azulejos de mármore, as águas que correm pelos canais e piscinas refresca a atmosfera e relaxa o visitante cansado. Os amplos jardins que contornam o complexo mostram a monumentalidade e esplendor deste Alcácer de Córdoba.

Os jardins do Alcácer, que se estendem ao longo de três terraços distintos, são estruturados de maneira refinada: na parte superior, duas grandes bacias coletam água das montanhas e as levam até o terraço inferior, que é acessado através de duas grandes escadas. Nesse terraço, há três grandes tanques.

Destacam-se as estátuas dos reis Ferdinando e Isabella, os Reis Católicos, que nesse local receberam Cristóvão Colombo para a apresentação de seu projeto da nova rota para as Índias. Imagine um espaço de vegetação, perfumes e citrinos. Os jardins passaram por inúmeras transformações, especialmente no período renascentista. Além disso, você encontrará fontes, esguichos d’água e azulejos.

Porta da Ponte, Portão de Almodóvar e Porta de Sevilha

Porta da Ponte é um dos únicos três portões que restaram na cidade de Córdoba, localizado perto do portão de Almodóvar e da porta de Sevilha. A porta atual está localizada em um enclave onde ficavam os portões romanos, além dos portões muçulmanos. Nos tempos romanos, ligava a cidade à ponte romana e à Via Augusta. Desde 1931, a porta, junto com a ponte romana e a torre Calahorra, foi declarada um local de interesse cultural na categoria de monumentos.

No século XVI, as autoridades decidiram dar à cidade uma porta melhor devido à deterioração do que já se encontrava lá. Dessa maneira, em 18 de fevereiro de 1572 , por ordem de Alonso González de Arteaga, decidiu-se construir a Porta da Ponte. No início do século XX, foi recuperada a altura original e a estrutura tornou-se independente. A porta da ponte consiste em altas fundações que suportam colunas dóricas estriadas, além de um entablamento clássico.

Uma inscrição foi colocada na porta, mencionando a visita que o rei Filipe II fez a Córdoba em 1570. Atualmente, a Puerta del Puente passa por uma cuidadosa seleção de textos e imagens. Do Mirante, localizado na parte superior, você pode ver uma magnífica vista panorâmica de todo o local.

Torre da Malmuerta

Ao lado da Plaza de Colón, a Torre da Malmuerta de Córdoba é um local de observação repleto de lendas. A tradição popular garante que o nome da torre deriva do assassinato de uma nobre senhora de Córdoba, pelas mãos de seu marido ciumento. Para se livrar da culpa, segundo as crônicas da época, baseada em uma falsa acusação de adultério, o nobre dedicou essa torre a ela. Mas fora o mito, há muitas informações históricas. Essa torre foi construída sob uma antiga construção islâmica, no século XV.

Para financiar as obras, foram utilizadas as multas aplicadas a quem jogava jogos de azarPossui uma planta octogonal com um arco que toca a porta do Rincón. Após perder sua função defensiva, a torre tornou-se uma prisão. Sob o arco, você pode ver armas e uma inscrição quase apagada que deu origem a outra das lendas sobre a torre. Se um cavaleiro, passando a galope sob o arco da torre, conseguisse ler toda a inscrição, naquele exato momento a torre desmoronaria, mostrando um tesouro fabuloso, que passaria a pertencer ao sortudo leitor.

Pátios de Córdoba

Os pátios de Córdoba vivem seu momento mais importante nas duas primeiras semanas de maio, todos os anos, durante o festival que lhes é dedicado. O Festival dos Páticos de Córdoba é um evento reconhecido pela UNESCO como Patrimônio Imaterial da Humanidade. Trata-se de uma série de eventos e iniciativas que, por algumas semanas, atraem a atenção de milhares de visitantes. Decorações florais, cores e aromas invadem as ruas da cidade. A forma das casas com pátio interno é de origem muçulmana.

Esse projeto garante maior ventilação e iluminação em toda a casa. Esses dois elementos foram preservados e mantidos em grande parte da Andaluzia. O "pátio", portanto, representa o cartão de visita da casa , a primeira coisa que é imediatamente visível. Por esses motivos, os pátios são tratados e embelezados mais do que o resto da casa. Nos pátios, é muito comum que haja também poços ou fontes, indispensáveis para regar os vasos de gerânios e muitas outras flores.

O pátio interno representa a sala de estar da casa. De fato, originalmente esse tipo de moradia não tinha uma sala com função de recepção. A Festa dos pátios de Córdoba comemora, ainda que simbolicamente, a felicidade do povo em retomar as relações e os contatos com os vizinhos após o período de inverno. O concurso nasceu no início do século XX e já previa prêmios para os vencedores. Hoje, o Festival cresceu, surgiram novas categorias, inclusive as relacionadas a "varandas e grades". Muitas pessoas e associações participam, dando vazão a toda a criatividade paisagística.    

Capela de São Bartolomeu

Após o ataque ao bairro judeu e a dispersão e conversão dos judeus, em 1391 (na época o bairro se chamava Malburguet), em 1391, foi criada a paróquia de São Bartolomeu . No final do século XVI, foi integrada como local de culto religioso à pequena igreja de São Bartolomeu, que foi posteriormente acrescida de uma capela fúnebre, um exemplo maravilhoso da arquitetura mudéjar. Um estilo arquitetônico resultante da convivência e trocas entre as culturas protagonistas da sociedade espanhola medieval: muçulmanos, judeus e cristãos.

A palavra "mudéjar" significa "domesticado" em árabe e identificava os muçulmanos que ficaram para viver no território após a conquista. Na capela, uma fusão desses dois estilos, a mistura é imediatamente reconhecível: uma base de azulejos, desenhos geométricos, estuques e o cofre gótico coexistem. O monumento está localizado perto do antigo hospital do Cardeal Salazar, que foi fundado em 1704 e hoje abriga a Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Córdoba. Foi declarado patrimônio de interesse cultural em 1931.    

Plaza de la Corredera

É o único exemplo de praça "fechada" em todo o território andaluz; a Plaza de la Corredera lembra muito, pela sua forma e seus arredores, a Plaza Mayor em Madri e Salamanca, para citar alguns exemplos. Vagamente trapezoidal, foi construída sobre os restos do anfiteatro romano e desde 1526, era ali que a feira semanal era realizada.

A estrutura atual foi concebida em um projeto do arquiteto Antonio Ramos Valdés, originário de Salamanca, que estudou sua reforma na segunda metade do século XVII. Nos últimos anos, passou por grandes obras de restauração e consolidação das estruturas e hoje é uma das praças mais movimentadas da cidade. Em 2014, recebeu o título de praça mais bonita de toda a Espanha. É um ponto de encontro em Córdoba, também para alunos do programa Erasmus. É cheia de bares, discotecas, pessoas e consegue manter um clima muito agradável, especialmente quando o tempo está bom.

Não seja o único a não frequentá-la.  Outro local muito pitoresco é a Plaza del Potro. Nas margens do rio Guadalquivir, encontramos essa praça com uma bela fonte. É a fonte do Potro, que dá seu nome à praça. É uma das praças mais históricas de Córdoba, já foi um local de compra e venda de gado e hoje abriga dois museus, o de Belas Artes e o museu dedicado ao pintor espanhol Julio Romero de Torres.

No coração de Córdoba, encontramos a praça mais central da cidade, Las Tendillas. Seu ícone é sem dúvida a estátua equestre do Grande Capitão, localizada bem no meio da praça. O som do relógio é muito interessante, tocando a cada hora as notas de uma guitarra flamenca.

Mausoléus Romanos

Estes monumentos imponentes datam do século I e são as construções mais importantes. O mausoléu romano foi encontrado por acaso em 1993 nos Jardins Vitória, durante a construção de um estacionamento. Tanto pelo seu tamanho (um diâmetro de 13 metros) quanto pela sua posição próxima às muralhas, o mausoléu romano é um dos exemplos mais importantes da arquitetura monumental romana. Trata-se de uma construção de concreto e calcário. A câmara funerária está quase completamente intacta. É o único mausoléu romano nessa região e o estilo arquitetônico é o mesmo que se observava na Itália na época romana.

Os historiadores também discutiram e tentaram traçar as origens da família proprietária. O tamanho e a localização sugerem que era uma família aristocrata. Arqueólogos descobriram a presença de um mausoléu duplo do outro lado da rua. A hipótese mais provável é que um dos mausoléus foi construído para abrigar os restos mortais da família do pai, enquanto o outro se destinava à mulher e às crianças.

Hammam Al Andalus

No centro do bairro judeu, os banhos árabes Hammam Al Andalus, em Córdoba, os maiores da Europa, estão localizados a poucos passos da Mesquita-Catedral e contam 2.000 anos de história. Foram construídos na época em que Córdoba era a capital do califado. Nessa viagem relaxante, será possível experimentar a tranquilidade de um banho e uma massagem, juntamente com o deleite de uma arquitetura muito especial.

No interior, os banhos foram divididos de acordo com as temperaturas e tipos de serviços, em diferentes salas: banheira fria, banheira quente, banheira de hidromassagem, banheira de hidromassagem e sala de relaxamento. A água na banheira fria tem uma temperatura de 16° C, a banheira morna, logo acima, oferece um ambiente único. As clarabóias em forma de estrela abertas no teto abobadado permitem que a luz do lado de fora entre no ambiente. Nessa banheira, a temperatura atinge cerca de 36°. Ao lado fica a área de massagem, onde você pode relaxar com o ritual das pedras quentes.

A área quente conta com duas piscinas nas quais a água atinge 40° e oferece uma atmosfera relaxante. Imagine o som da água em um cenário histórico, com arquitetura refinada: você será tomado por uma sensação de puro bem-estar. Finalmente, na sala de relaxamento, entre um banho e outro, você pode degustar um chá e doces árabes tradicionais, preparados com uma mistura refinada de ervas aromáticas.    

A beleza de Córdoba com a Costa

 

Uma cidade rica em história, tradições, que irão lhe surpreender e intrigar. Córdoba também é sinônimo de arte, cultura e lazer, graças à diversidade de eventos culturais organizados ao longo do ano: festivais de flamenco, shows, balés. Atividades que você pode desfrutar visitando diversos museus e curtindo a vida noturna animada. Córdoba tem 4 monumentos tombados como Patrimônio Mundial pela Unesco: A Mesquita-Catedral (1984), o centro histórico (1994), a Festa dos Pátios (2012) e a Medina Azahara (2018). Além disso, como todo o resto da Espanha, aqui você pode conhecer outros patrimônios culturais intangíveis da humanidade: o Flamenco (2010) e a dieta mediterrânea (2013).

Córdoba é uma das cidades da Andaluzia que reúne o melhor de três culturas: A muçulmana, a cristã e a judaica, todos no mesmo espaço. É o lugar perfeito para soltar a criatividade que temos dentro de nós. Suas ruas estreitas e charmosas, cheias de flores coloridas e varandas de aço, fazem dela um paraíso no Instagram. Os azulejos e os arcos fazem lembrar constantemente o passado muçulmano e sua influência na arquitetura da cidade. E como se isso não bastasse, a cidade também possui muitos bares de tapas, deliciosos vinhos locais e hotéis charmosos. Você só precisa descobri-la e vivê-la em sua essência.

Viaje com a Costa Cruzeiros