Mitologia, drama e filosofia, democracia: Atenas é o berço da civilização e do pensamento ocidentais. Em suas linhas e suas ruínas, uma história de mais de 3.000 anos é revivida, mas a capital grega vai muito além: igrejas bizantinas milenares, por exemplo, que se escondem em meio às ruas e se encostam nos seus montes. Traços otomanos podem ser vistos na arquitetura e na gastronomia. E o estilo neoclássico de 1800 acrescenta elegância em todo o centro da cidade.

Atenas explode com energia e criatividade. Arte e fervor se manifestam em debates políticos, espetáculos e até nas paredes de prédios abandonados, já que a capital da Grécia se tornou um dos lugares de instalação de murais mais conhecidos da Europa. Surpresas criativas podem ser encontradas em cada esquina e, mesmo em se tratando de comida, haverá surpresas. Vamos descobrir quais são os 30 tesouros para ver, quem sabe em uma excursão da Costa.

  • A Acrópole de Atenas e o Parthenon
  • Arco de Adriano
  • Edifício do parlamento
  • Museu da Acrópole
  • Praça Sintagma
  • Erecteion
  • Canal de Corinto
  • Corinto antigo
  • Bairro de Plaka
  • Templo de Atena Nice
  • Ágora antiga
  • Avenida Syngrou
  • Templo de Zeus Olímpico
  • Museu Arqueológico Nacional de Atenas
  • Monte Licabeto
  • Estádio Panatenaico
  • Museu de Arte das Cíclades
  • Museu Benaki
  • Jardim nacional e o parque Zappeion
  • Rua Ermou
  • Barrio de Monastiraki
  • Monte Philopappos
  • Ágora romana
  • O templo de Hefesto
  • O distrito de Gazi
  • Mercado central
  • Arredores de Atenas: Cabo Sunião e templo de Poseidon
  • Arredores de Atenas: Micenas, Epidauro e Nafplio
  • Arredores de Atenas: Delfos

A Acrópole de Atenas e o Parthenon

A Acrópole é o local mais emblemático da cidade. Esta joia, Patrimônio Mundial da UNESCO, está localizada em uma colina na capital, 156 metros acima do nível do mar, e é uma das atrações mais visitadas da capital grega e de todo o país. Em seu cume, está o Partenon, o monumento emblemático da Acrópoles. Esse templo, dedicado à deusa Atena, foi inteiramente construído em mármore e possui um peso recorde de cerca de 20.000 toneladas, e foi Péricles que ordenou sua construção, em uma área onde foram construídos palácios e locais de culto, a partir do século V a.C. Aqui estão alojadas as quatro maravilhas da arte clássica grega: além do Parthenon, de que já falamos, existe o Propileu, as majestosas entradas da área sagrada dedicada a Atena, o Erecteion e o templo de Athena Nice.

A vista obtida é maravilhosa: as estruturas monumentais encontraram equilíbrio entre suas linhas e a natureza circundante. Em sua história, a Acrópole foi destruída muitas vezes: no início, os bizantinos transformaram os templos em igrejas e tomaram posse dos tesouros; em 1456, quando os turcos tomaram posse de Atenas, o local foi transformado em uma mesquita e o Erecteion se tornou o harém do governante turco.

A Acrópole foi seriamente danificada em 1687, quando operações do exército veneziano causaram a explosão do Parthenon, que naquele tempo estava sendo usado pelos turcos como uma espécie de armazém de pólvora. A devastação e os saques continuaram no século XIX, quando o embaixador do rei da Inglaterra, Lord Elgin, se apossou de pedras preciosas e levou-as para casa: elas ainda podem ser visitadas hoje no British Museum.

Arco de Adriano

Foi construído como uma parte do muro que dividia a antiga e a nova cidade de Atenas. É um arco do triunfo, encomendado pelo imperador Adriano em 131 d.C. Seus números são imponentes: 18 metros de altura e largura de 12,5. Foi feito de mármore e consiste em duas camadas. Na parte inferior, há uma porta que permite a passagem de pessoas. No projeto original, havia também duas colunas que não foram preservadas. Na arquitrave, existem duas inscrições diferentes. Em 1700, o arco foi usado como uma das portas do muro defensivo que os turcos usavam para se defender dos saqueadores albaneses.

Palácio do Parlamento

Estamos diante de uma das principais atrações da capital grega. O edifício do Parlamento, localizado na praça central de Sintagma, nasceu originalmente como  Palácio Real, encomendado por Otto I da Baviera. O estilo é austero e simples e retoma a ideia do classicismo, e sua posição foi escolhida por ser facilmente protegido. A propriedade está localizada perto do Jardim Nacional. Em frente à entrada, ao pé da escada, há o famoso monumento ao Soldado Desconhecido, um local popular porque é onde você pode ver a tradicional troca da guarda.

Museu da Acrópole

Uma obra arquitetônica muito importante, localizada a apenas 300 metros da Acrópole. Aqui você pode embarcar em uma jornada ao longo de 4 mil peças expostas, que revelam traços de história e civilização. A coleção também inclui o que eram as colunas do Erecteion. Você pode admirar vários achados da cidade antiga, inúmeras esculturas e peças clássicas encontradas na Acrópole. Merece atenção também o estilo do edifício, que é uma mistura de concreto, aço e vidro e ocupa uma área de mais de 14.000 metros quadrados. Foi projetado para explorar a luz natural para valorizar os objetos da coleção. Outra curiosidade diz respeito ao andar superior, que foi construído com base no tamanho do Parthenon.

Praça Sintagma

Você também pode chamá-la de Praça da Constituição, mas seu nome mais popular é Praça Sintagma. É o coração cultural e social da cidade. Um espaço cheio de monumentos, charme e vida cotidiana. Localizada em uma posição favorável também por causa da estação de metrô, que é muito eficiente, aqui você pode relaxar um pouco ou tomar um café enquanto espera para ver os famosos guardas presidenciais trocarem turnos.

São os majestosos evzones, que usam um uniforme pitoresco inspirado nos guerreiros da montanha que lutaram durante a guerra da independência. Da praça Sintagma é possível se deslocar para visitar as atrações e museus mais interessantes da cidade, incluindo o Benaki, o museu de arte cicládica e bizantina. É também um excelente centro para chegar nas principais áreas comerciais de Atenas.

Erecteion

É uma das maravilhas da Acrópole e tem uma particularidade: possui uma planta assimétrica e consegue integrar estilos diferentes, o jônico e o coríntio. O Erecteion, construído para sediar rituais religiosos, foi construído durante a guerra do Peloponeso. Seu estilo é simples, a parte leste era uma homenagem a Atena Polia, enquanto o lado oeste fazia reverência a Poseidon. Outra peculiaridade da estrutura diz respeito ao fato de abrigar dois pórticos, um sustentado por colunas iônicas e outro sustentado por 6 cariátides, seis estátuas femininas com cerca de 6 metros de altura, que sustentam a estrutura com o peso de suas cabeças. Essas figuras são cópias dos originais que se encontram no museu da Acrópole.

O templo de Erecteion teve uma história particularmente conturbada, que o levou a passar por várias reconstruções ao longo dos séculos: primeiro foi um incêndio que o destruiu na era clássica. Em seguida, em 1600 d.C., foi transformado em basílica cristã e, finalmente, durante o Império Otomano, se transformou em harém e um pórtico foi murado.

Canal de Corinto

Imagine um trabalho colossal de engenharia, construído entre mil obstáculos no final de 1800 e que permitiu uma conexão marítima entre o Mar Jônico e o Mar Egeu, com a divisão do Peloponeso da Grécia continental. Foi construído no final do século XIX, e não faltaram problemas relacionados ao projeto e muitos mais. Há um paradoxo sobre o canal, pois hoje ele já não atende o objetivo para o qual foi construído, ou seja, popular alguns quilômetros de navegação pelo Peloponeso. Mas, hoje, navios de carga não podem atravessá-lo e suas águas são atravessadas principalmente por navios turísticos. Por outro lado, as medidas do canal se mantiveram surpreendentes: tem seis quilômetros de comprimento, 25 metros de largura e 8 metros de profundidade. No entanto, atravessar suas pontes interligadas, mesmo que por apenas 5 minutos, é uma experiência única. Para quem gosta de um pouco de adrenalina, há também a possibilidade de praticar bungee jumping.

Corinto antigo

Uma explosão do passado no meio de uma cidade moderna. É o que acontece em Corinto, a 80 quilômetros de Atenas, onde você pode visitar as ruínas da cidade antiga. São restos interessantes da época romana, incluindo a basílica de Iulia, a fonte de Pirene e o templo de Octavia, entre outros. Há também um museu que explica as origens da região, além de inúmeras curiosidades históricas contadas através de vídeos. Entre as joias preciosas, há também o Templo de Apolo, uma construção em estilo dórico, que acredita ter sido construído no século VI a.C., além das lojas da Ágora. Corinto era uma cidade-estado próspera, rica em atividades comerciais e trocas, que continuou a ter importância mesmo no período bizantino.

O bairro de Plaka

Depois de tanta história, também é preciso um pouco de animação e o bairro de Plaka, logo abaixo da Acrópole, é para você. Aqui você encontrará um ambiente colorido e alegre, cheio de lojas para descobrir e restaurantes onde você pode experimentar as especialidades locais. Depois de descansar por um momento, você pode entrar nas ruas e vielas sinuosas ou fazer compras nas muitas ruas de pedestres em busca da lembrança perfeita.

A paisagem à sua frente alterna elegantes edifícios neoclássicos com casas modernas, adornadas com varandas cheias de jasmim. No início, nasceu como um bairro da classe trabalhadora, mas agora Plaka é um dos pontos mais turísticos e populares da Grécia. Existem também vários centros culturais, museus e vários monumentos. Entre os principais, está o Lisicrate, um templo em estilo coríntio.

Templo de Atena Nice

Pelo seu tamanho, pode ser definido como "a pequena joia" da Acrópole. O templo de Atena Nice, que fica no canto sudoeste, é a menor construção, por conta dos seus 18 metros de largura e 27 metros de comprimento. Foi o arquiteto Callicrate que o projetou em calcário coberto de mármore, para celebrar a deusa da vitória. Existem muitas curiosidades a seu respeito, sobretudo sobre os relevos: na parte central, mostram cenas de batalha entre persas e gregos, na parte leste exibem esculturas dos deuses olímpicos observando cenas de guerra.

Segundo registros históricos, havia uma estátua da deusa Vitória sem asas, cujo valor simbólico era muito forte. A tradição dizia que ela nunca poderia sair de Atenas e era visto como um sinal de bom auspício.

Ágora antiga

A Ágora era o centro pulsante da atividade política, administrativa, religiosa e social da Grécia antiga. O local da justiça e da vida cotidiana, a praça onde nasceu o conceito de democracia. As escavações para revelá-la, no sopé da Acrópole, começaram em 1931, depois de obtidas as permissões para comprar e, posteriormente, demolir mais de 400 edifícios modernos.

E o que reapareceu foi uma maravilhosa oportunidade de viajar no tempo. Na Ágora, os cidadãos se reuniam para realizar atividades cotidianas e sociais, mas também abrigavam suntuosos edifícios e palácios. As extensas colunatas eram espaços usados para encontrar amigos, resolver questões da vizinhança, negociar o preço de objetos ou simplesmente conversar ou debater.

Depois, havia a área passou a ser usada como mercado, onde havia inúmeras lojas lotadas onde oleiros, sapateiros e até escultores e artistas trabalhavam. Os pequenos templos e santuários demonstram a vocação religiosa da Ágora, enquanto a biblioteca explica sua importância cultural. A história da Ágora é cheia de fases e reconstruções, sendo que a primeira aconteceu depois que os persas destruíram completamente Atenas.

Foi durante os séculos V a.C. que a praça viveu seu auge, quando era um local de troca entre grandes estadistas, como Péricles, Demóstenes e Temístocles. Mas não apenas isso, era acima de tudo um espaço cultural, terra de escritores como Tucídides e Heródoto, poetas como Sófocles e Aristófanes, e também um centro de debates e teorias com filósofos, desde Sócrates e Platão até Aristóteles

Avenida Syngrou

É uma das principais ruas de Atenas, que liga a Avenida Poseidonos ao centro. É uma rua cheia de vida, hotéis e lojas, sempre muito movimentada. Não faltam restaurantes onde você pode experimentar especialidades culinárias locais.

Templo de Zeus Olímpico

Um colosso: o templo de Zeus é o maior local de culto de toda a Grécia antiga e está localizado entre a Acrópole e a praça Sintagma. Os depoimentos falam de obras que duraram quase 700 anos, mas, infelizmente, hoje em dia só é possível fazer suposições sobre essa gigantesca estrutura em mármore brancoHavia 104 enormes colunas coríntias feitas para impressionar os cidadãos atenienses, mas hoje restam apenas 15 colunas intactas e em pé, pois uma delas caiu após ser derrubada por uma tempestade.

Outo dado impressionante diz respeito ao diâmetro de 1,70 e altura de 17 metros. A estrutura tinha originalmente 96 metros de comprimento e 40 metros de largura. As ruínas iluminadas pelo luar são uma visão única e oferecem uma vista imperdível.

Museu Arqueológico Nacional de Atenas

Um mundo que o conquistará pela beleza. O Museu Arqueológico Nacional abriga numerosos tesouros da arqueologia grega, que se revelem em um percurso cronológico. Basta expor os dados para entender a grandeza do conhecimento contido ali: são mais de 11 mil objetos e pelo menos 7 coleções que podem ser visitadas. São muitos tesouros que você pode descobrir: há o jóquei de Artemísio, uma escultura em bronze caracterizada por um realismo surpreendente, ou a cabeça de Zeus, que deve ter pertencido a uma estátua de pelo menos 7 metros de altura.

Outra atração imperdível são os tesouros micênicos, que vão desde máscaras de ouro, como a de Agamenon, encontrada em Micenas, a vasos, cerâmica e joias. Existem seções dedicadas ao período neolítico e/ou restos da civilização cicládica, dentre os quais se destacam estátuas muito interessantes.

Monte Licabeto

Lugares cheios de charme e beleza muitas vezes escondem histórias fascinantes ou lendas míticas. O monte Licabeto é um desses exemplos. Conta-se que a deusa Atena gostaria que seu templo na Acrópole fosse o mais próximo possível do céu. Então levantou uma pedra imponente para colocá-la em cima da colina. Quando finalmente se aproximava, recebeu notícias chocantes: a rocha de 278 metros caiu subitamente, formando o monte Licabeto. Segundo evidências antigas, a área, famosa por uma grande floresta de pinheiros, era habitada por muitos lobos, daí o seu nome (Colina dos Lobos).

Durante o período clássico, a colina exibia uma vegetação luxuriante e densa e conta-se que havia um templo dedicado a Zeus. Tudo mudou no período da ocupação turca, em que a área foi completamente desabitada. Em 1915, houve outra transformação radical: um trabalho de desmatamento que transformou a colina na montanha que é hoje.

O estádio Panatenaico

De primeira vista, não parece tão antigo e cheio de história. No entanto, o majestoso estádio Panatenaico foi construído no século IV a.C. para sediar competições de atletismo, esportes e inúmeras competições artísticas por ocasião dos Panathenae, festivais religiosos dedicados a Atena. Há inúmeras lendas que acompanham sua inauguração: dizem que em 120 d.C., por ocasião da subida ao poder do imperador Adriano, mais de mil animais selvagens foram sacrificados na arena. O estádio evoluiu, pois os assentos originais foram substituídos por um tipo de mármore, encomendado por Herodo Ático.

O estádio está localizado no meio caminho entre dois distritos, Mets e Pangráti, no meio de uma espécie de bacia, na qual existem duas colinas cobertas por uma vegetação exuberante. A infraestrutura passou por anos de declínio e abandono, até 1895, quando o magnata grego Georgios Averof decidiu reformá-lo para sediar os Jogos Olímpicos de 1896, os primeiros da era moderna. A estrutura atual é, na verdade, uma reprodução fiel do antigo estádio, inclusive o mármore pentélico, sua capacidade de receber 70 mil espectadores, além do campo central e da pista de corrida.

Há muitos usos modernos e recentes. O estádio serviu de cenário para a competição de arco e flecha e para o ponto de chegada da maratona durante os Jogos Olímpicos de 2004. Também é usado como local ocasional para eventos e concertos públicosSua relação com o esporte continua forte, já que é onde se encerra a maratona de Atenas todos os anos.

Museu de Arte Cicládica

Ilhas cicládicas, Chipre e Grécia Antiga: o itinerário expositivo do Museu de Arte Cicládica percorre esses locais, abrigando mais de 5 mil objetos divididos nos quatro andares do edifício, de acordo com uma ordem temática. A arte cicládica é o principal protagonista do primeiro andar: aqui você encontrará não apenas imagens, mas também objetos em diferentes materiais: metal, argila e mármore, fabricados em um período de 1200 anos (de 3200 a 2000 a.C.). O segundo andar é dedicado à arte da Grécia Antiga.

Uma viagem entre vasos, joias, cerâmica e armas, além de objetos de cristal. O espaço dedicado ao Chipre inclui vários elementos, incluindo mármore, bronze e prata e vai até o período bizantino. A última seção é dedicada a mostrar como era a vida cotidiana dos gregos antigos. Um caminho que passa por 140 objetos, explicados através de seus usos e tradições.

Museu Benaki

A evolução das artes da Antiguidade até hoje em uma extensa coleção que inclui mais de 45 mil objetos históricos. O Museu Benaki deve seu nome ao comerciante grego Antonio Benaki, que os colecionou por 35 anos.  As obras vão de 3000 a.C. ao início do século XX, e a coleção se espalha pelos 4 andares do local: uma verdadeira mansão neoclássica. A coleção que ocupa 40 quartos inclui joias, objetos de madeira esculpida, elementos de cerâmica, além de trajes gregos e motivos religiosos. Há alguns itens imperdíveis, como a mesa que pertencia a Lord Byron, além da mobília de um palácio egípcio. Existem também várias reconstruções de algumas cidades históricas da Grécia.

O jardim nacional e o parque Zappeion

É uma das áreas verdes mais famosas de Atenas, por sua posição entre a Praça Sintagma e o Estádio Kallimarmaro, próximo ao Parlamento grego. O Jardim Nacional de Atenas é uma área perfeita para fugir do barulho da cidade e curtir algumas horas de relaxamento cercadas pela natureza.  A princípio, o nome escolhido foi Jardim Real, pois não era aberto ao público e somente a família real podia acessá-lo. Os cidadãos só podiam andar pelo Zappeion, um parque encantador localizado nas proximidades. O Jardim Nacional, com três entradas, ocupa uma área de mais de 16 hectares e foi criado pela primeira rainha da Grécia, Amalia de Oldenburg, entre 1838 e 1840.

Rua Ermou

Um quilômetro de bares, lojas, cores, para ser vivido a pé: essa é a Rua Ermou, um local onde se encontram as melhores marcas e lojas da moda europeia e internacional. A rua começa na Praça Sintagma, onde está localizado o prédio do Parlamento. Quando você cansar das compras, sem problemas: há uma infinidade de restaurantes, clubes e lanchonetes onde fazer uma pausa saborosa. Entre as opções, não há apenas cozinha grega, mas também comida de rua e culinária oriental: os cardápios são adequados para todos os bolsos..

Bairro de Monastiraki

Um bairro que se tornou um símbolo de Atenas e é conhecido principalmente por uma coisa: o mercado de pulgas. Monastiraki atende todos os tipos de necessidades, graças às suas lojas pitorescas: de roupas a vinil, ferramentas ou telas. Mas se você ainda não estiver satisfeito, pode entrar nas lojas de joias ou bijuterias, em um lugar cheio de alegria, cores e até um pouco de confusão agradável.

Monastiraki ainda é tomado por uma atmosfera e influência oriental, já que nos tempos antigos era o centro otomano de Atenas. Você pode respirar o passado nos bazares ou nas duas mesquitas da região. O bairro deve esse nome à igreja do século 10, localizada na saída da estação de metrô. 

Monte Philopappos

Aqui você está em um dos pontos mais panorâmicos de Atenas: a colina Philopappos, também conhecida como Colina das Musas, oferece uma visão inesquecível. E chegar ao local, localizado a sudeste da Acrópole, não é tão complicado, graças aos caminhos que se abrem em meio à vegetação. Depois de um agradável passeio na natureza, você pode mergulhar na história novamente: no topo da colina, você encontrará um monumento funerário em homenagem ao último príncipe do reino de Comagena: seu nome era Caio Júlio Antíoco Epifanes Filopapo e morreu em 116 d.C.

Ágora romana

Estamos no bairro de Plaka, perto da Ágora antiga, mas não espere muitas semelhanças, pois a Ágora romana tem uma estrutura muito mais ampla e imponente. Foi o imperador Augusto quem aprovou as obras, que foram então concluídas por Adriano. No projeto original, a ágora ocupava uma área de 100 metros quadrados, onde havia, além das latrinas públicas, o mercado e diversas atividades comerciais.

A área era cercada por uma colunata de estilo iônico e o pátio era completamente revestido de mármore. Atualmente, restam da estrutura original apenas algumas ruínas do pátio, a colunata e os banhos públicos. Na parte oeste, a Torre dos Ventos foi mantida intacta - um edifício curioso, com uma planta poligonal, que foi usado como relógio público e depois como capela, a partir do século VI.

O templo de Hefesteaion

Seu nome mais conhecido é Templo de Hefesto e é um dos monumentos dóricos mais bem preservados de Atenas. Na era bizantina, acreditava-se erroneamente que ali era o lugar onde descansavam os restos do herói Teseu. O edifício fica na área arqueológica central da capital, em uma colina que dá para o lado ocidental da ágora grega. O templo é composto de treze colunas nas laterais mais extensas. Originalmente, de acordo com vários testemunhos, era o lar de duas estátuas, de Hefesto e Atena, feitas em ouro e marfim, atribuídas ao escultor Alcamente.

O distrito de Gazi

Um bairro animado, cheio de coisas para fazer e gay friendly. As curiosidades começam com o nome, pois se refere a uma fábrica de gás que foi instalada na área em 1864. A área passou por vários projetos de reconstrução, mas melhorias significativas só foram sentidas quando foi fundada a Technopolis, o maior centro cultural da cidade.

O bairro tem uma área de 30 mil metros quadrados e hoje é um verdadeiro oásis de eventos e oportunidades de diversão noturna. Basta pensar que a área conta com mais de 20 teatros, mais de 60 restaurantes, clubes e bares. Existem inúmeros espaços dedicados à música ao vivo e também um cinema ao ar livre.

Mercado central

Bem-vindo a um espaço muito popular que também servirá para você conhecer os hábitos dos atenienses. A estrutura por si só é fascinante, já que o mercado central está localizado em um edifício que lembra o estilo do início do século XX. Como em qualquer mercado que se preze, não faltam histórias entre os vendedores que gritam e às vezes se xingam. O mercado está dividido em seções: a parte central é dedicada aos peixes. Há iguarias de todos os tipos.

Do lado externo, você encontrará carne. O vendedor irá cortá-la com muita energia e vigor em uma tábua de corte. Os números farão você entender a variedade do local e a miríade de perfumes que você sentirá: existem 100 açougues, 150 peixarias e pelo menos 80 barracas de frutas e vegetais.

Arredores de Atenas: Cabo Sunião e templo de Poseidon

Um morro magnífico que espreita sobre o Mar Egeu e oferece fragmentos de história e faz seus visitantes entrarem em êxtase, graças a um pôr do sol inigualável. O Cabo Sunião fica localizado 70 quilômetros ao sul de Atenas e é onde está o majestoso Templo de Poseidon, um edifício construído em 600 a.C. que foi destruído pelos persas, mas voltou à vida graças a Péricles. Chegaram aos nossos dias 16 colunas das 34 que estavam presentes na construção original. Na estrutura havia também uma enorme estátua de Poseidon, com cerca de 5 metros de comprimento, que ficava dentro do templo. Agora, uma parte dela pode ser visitada no museu arqueológico de Atenas

Em torno de Atenas: Micenas, Epidauro e Naupli

A cidade de Agamêmnon, chefe supremo dos gregos durante a Guerra de Troia, não pode ser esquecida: Micenas, localizada a 120 quilômetros de Atenas, era uma das cidades-estados mais importantes, ricas e influentes da antiguidade. E foi precisamente a influência da Ilíada levou à descoberta de suas ruínas no final do século XIX, graças à paixão do arqueólogo alemão Schliemann. Hoje você terá a oportunidade de atravessar as fronteiras dessa cidade mítica, pela Porta dos Leões e percorrer caminhos, ruas, que antes viram passar reis, guerreiros e servas. Você descobrirá as paredes ciclópicas e também as ruínas do Palácio e do túmulo de Agamêmnon.

A partir daqui, vale uma visita a Epidauro, local de nascimento de Apolo, famoso por seu teatro, maravilhosamente preservado e conhecido por sua surpreendente acústica. Ao visitar o museu de Epidauro, você irá mergulhar no mundo das práticas médicas antigas. Nafplio também merece uma menção, pois sabe alternar a modernidade dos bares e discotecas com a história de sua cidade antiga e suas fortalezas, sem falar do seu sítio arqueológico. A principal atração é a fortaleza de Palamidi.

Arredores de Atenas: Delfos

Uma ligação indissolúvel: Delfos e o Oráculo. Um destino imperdível que fascina com sua história, misticismo e lendas. De acordo com crenças antigas, a sacerdotisa do templo de Apolo em Delfos, Pitia, oferecia respostas enigmáticas que podiam definir questões muito importantes. Era possível decidir entrar ou não em uma guerra, como combater a fome, como agradar aos deuses e também onde fundar uma nova cidade.

Aqui você não receberá nenhuma resposta ou iluminação, mas terá ao seu alcance as ruínas de construções míticas e um animado centro da cidade cheio de clubes e caminhos perfeitos para caminhadas. Além da área arqueológica, você pode visitar o museu arqueológico. Delfos está localizada a cem quilômetros de Atenas.

Viaje para Atenas com a Costa

 

Um museu ao ar livre, um aglomerado de sítios arqueológicos e monumentos. Atenas é uma cidade única, com três mil anos de história, mas também é um lugar que olha para o futuro, muito dinâmica e criativa em todos os setores: da arte à cultura, chegando, é claro, à mesa, onde a gastronomia e seus sabores são incomparáveis. Não faltam mercados sem fim, pontos de vista panorâmicos incríveis ou a possibilidades de simplesmente descansar. Uma mistura especial que, juntamente com a simpatia de seu povo, tornará suas férias únicas.

Viaje com a Costa Cruzeiros