A Catedral de Sevilha foi construída em um terreno onde a Grande Mesquita ficava no século XII. Esta se tornou cristã em 1248, quando Fernando III de Castela ordenou a demolição da estrutura (com exceção da Giralda e do Pátio dos Naranjos), em favor de uma igreja gótica que deixou o mundo sem fôlego com sua magnificência.

O “Patio de los Naranjos” foi estabelecido em 1172 e é altamente significativo pela presença de 19 arcos: 13 no lado mais largo e 6 no lado mais estreito. Ao redor do edifício é possível observar a típica escadaria de 1392 onde, no passado, ilustres empresários se reuniam para discutir comércio. 

Para ter acesso à parte externa do jardim, de fato, é necessário passar pela Porta do Perdão - a mais antiga - que ainda conserva elementos arabescos.

Durante a sua visita à Catedral de Sevilha, pode sentir-se dentro de uma espécie de labirinto mágico e ficará fascinado com a beleza das suas portas.

Giralda, outra beleza rara de Sevilha: cerca de 105 metros de altura, para uma base de cerca de 7 metros quadrados. Nos tempos antigos, representava o minarete da mesquita. Quando esta foi demolida para dar lugar à construção da Igreja Matriz, optou-se por deixar a Giralda que, atualmente, representa a torre sineira da Sé Catedral:

Estilos arquitetônicos e funções mais antigas

A Catedral de Sevilha possui um patrimônio artístico muito valioso. Por isso é considerada uma das melhores galerias de arte espanholas, onde não faltam obras de mestres como Murillo, Velázquez, Goya e Zurbarán.

A Catedral de Sevilha é a maior catedral gótica do mundo. Sua peculiaridade é que sua planta não tem o formato de uma cruz latina, mas é quadrada. Isso porque foi construída sobre a antiga mesquita principal da cidade e adaptada. 

O local árabe foi convertido na torre sineira do edifício Giralda, que na época se tornou a torre mais alta do mundo graças aos seus quase cem metros de altura. O Pátio Laranja e a Porta do Perdão também são um legado da mesquita.

A beleza arquitetônica da Giralda é tão apreciada por muitos que é possível encontrar seus "exemplares" em outros lugares da Espanha e do mundo.

Todos os dias, devido às mudanças de temperatura, as abóbadas do edifício aumentam vários centímetros. Esta “flexibilidade”, ao contrário do que possa parecer, é uma vantagem porque torna a catedral mais segura, dando à sua arquitetura uma margem de movimento contra possíveis desastres.

As capelas

Entre as 25 capelas presentes no complexo, não pode faltar as três mais significativas:

A Capilla Mayor: aqui está o maior altar de toda a Espanha. No interior, encontra-se Santa Marìa de la Sede, a protetora da estrutura. Envolvida em 44 painéis dourados que foram executados no estilo flamengo entre 1428 e 1564. Os 36 compartimentos narram cenas do Antigo Testamento, a vida de Cristo e dos santos. 

A Capela Real: irá surpreendê-lo com a sua majestade. É a cabeça da catedral. Nesta capela encontram-se o panteão do Rei Fernando e de seu filho Alfonso, além dos vários túmulos de outros membros da família real.

A capela de San Andrès: contém muitas obras de arte indicativas do estilo espanhol, o turista pode até ver uma pintura de Goya. A obra mais famosa é de Juan Martínez Montañés denominada “Cristo de la Clemencia ou Cristo de los Cálices”, trata-se de uma escultura barroca de 1603, que serviu de modelo para a realização deste tema ao longo do século XVII.

Sepulturas

Inicialmente, o Cristianismo não permitia o sepultamento em igrejas, mas com o passar dos anos, foram as igrejas que hospedavam os mortos para lhes dar um valor até depois do falecimento.

Quanto mais próximo o sepultamento estava das relíquias, mais o defunto era valorizado. Os enterros, portanto, tiveram que acontecer perto dos santos e nas igrejas. 

Porém, houve um momento na história da Idade Média em que começaram a ser sepultadas pessoas que eram consideradas importantes para a Igreja ou que haviam agregado valor à sociedade.

O túmulo de Colombo é sem dúvida uma das principais atrações para quem decide visitar a Catedral de Sevilha. A própria tumba data de 1892; foi criada uma verdadeira escultura que consiste em um caixão erguido por 4 homens representando os reinos de Castela, Leão, Aragão e Navarra. 

Outras cidades também afirmam ter os restos mortais de Cristóvão Colombo, como Havana e Santo Domingo, mas estudos de DNA mostram, no entanto, que os restos mortais do explorador genovês estão bem aqui em Sevilha.

A Giralda

La Giralda é um dos símbolos mais famosos de Sevilha, por isso não pode deixar de a visitar.

Com seus 101 metros de altura, a Giralda supera em altura a famosa Torre de Pisa e o mítico Big Ben de Londres. O acesso à parte alta da Giralda não é nada cansativo para os visitantes que se preparam para a visitar. A torre, de facto, chega a ter 35 rampas que tinham a função de permitir ao sultão subir a cavalo ao topo da Giralda e que ainda hoje são utilizadas pelos visitantes da cidade andaluza.

A Torre Giralda resume a história de Sevilha e sua mistura de culturas. A torre foi construída pelos árabes em 1184 e era o minarete da mesquita de onde os fiéis muçulmanos eram chamados às orações.Mais tarde, a mesquita foi destruída e a Catedral de Sevilha foi construída sobre seus escombros. 

Por vontade do rei, a torre da mesquita foi mantida e transformada na torre sineira da Catedral. O campanário da Giralda possui um total de 24 sinos, dos quais o mais importante é o de Santa María la Mayo

Em 1987, a UNESCO declarou a Torre como Patrimônio Mundial.

O pátio das Laranjas

Pode ser considerado o jardim "vivo" mais antigo da Europa porque suas origens remontam à construção da mesquita. É um espaço fechado de cerca de cinquenta metros por cento e trinta, dividido em três partes, cada uma das quais com uma bela fonte renascentista no centro.

Sua origem é muçulmana, pois nessa época os muçulmanos já haviam conquistado boa parte da península, além das Ilhas Baleares. O “Pátio de los Naranjos” foi reduzido à sua expressão mínima. E se isso não bastasse, em 1618 a ala oeste foi demolida para construir o que viria a ser conhecido como a Iglesia del Sagrario. E como o nome sugere, há laranjeiras plantadas em seis fileiras. Mas, além disso, há uma fonte no centro da praça. 

As portas

Graças à sua longa resistência e às suas construções incessantes, esta propriedade tem uma grande variedade de destaques. A superfície externa da Catedral, que possui diferentes tipos de portas, cada uma com sua própria história e mitologia. As mais notáveis ​​são:

A Porta Baptismal, na fachada oeste. O portão principal ou Portão da Assunção, no centro da fachada oeste, bem preservada e ricamente decorada. Na fachada sul, não perca a Porta de San Cristoforo ou o Mercado.

A Porta da Conceição, na fachada norte. A Porta do Lagarto, que leva ao Patio de los Naranjos, deve seu nome ao crocodilo decorativo pendurado no teto. A escultura é um presente do Sultão do Egito ao Rei Alfonso X.

A Porta do Santuário fornece precisamente o acesso ao santuário. Desenhado por Pedro Sanchez Falconete no final do século XVII, é emoldurado por colunas coríntias com uma escultura que representa o Rei Fernando III de Castela. Por fim, há a Porta do Perdão, que dá acesso ao Patio de los Naranjos, a Porta dos Bastões e a Porta dos Sinos, assim chamada porque na época da construção da Catedral, nas proximidades existiam os sinos que chamariam os trabalhadores para a mansão.

Como chegar à Catedral

Para chegar à Catedral de Sevilha, existem várias maneiras de chegar ao esplêndido monumento:

se está no centro de Sevilha pode utilizar os vários táxis disponíveis, os autocarros que partem da primeira parte às 5h20 da manhã até às 13h15; outra solução para chegar lá do hotel onde você está hospedado é alugar carros para chegar à rua Basílica 41009.

Alternativamente, você pode usar o metrô de Sevilha, basta descer na Puerta Jerez e caminhar cerca de 150 metros. A estrutura da Catedral é impressionante e fica visível assim que você sai do metrô. Refira-se que o principal monumento de Sevilha está localizado perto do Alcázar e da Giralda, no centro histórico.

Ingressos e preços

Existem dois tipos de ingressos para visitar a Catedral de Sevilha:

- O bilhete de entrada completo custa 10 euros; o turista pode visitar a Catedral, a Giralda e a Igreja de Salvador.

- Visita dos telhados da Catedral; visitando tudo, acompanhado de um guia (em cerca de 1 hora e meia) e depois tem acesso a visitar livremente a Catedral, a Giralda e a Igreja de Salvador. Este bilhete tem um preço de 15 €

Existem descontos para idosos e estudantes até aos 25 anos: para eles o custo é de 5 euros. A entrada gratuita é reservada para pessoas com dificuldades físicas e crianças de até 14 anos. 

A bilheteria fecha uma hora antes do fechamento da Catedral, mas muitas vezes pode acontecer que o horário de funcionamento varie, caso haja cerimônias religiosas.

A Catedral está aberta de terça a sábado, das 11h00 às 17h00. Na segunda-feira, o horário é até às 15h30. Das 16h30 às 18h00 a Catedral está aberta apenas para visitas marcadas com antecedência com guia de áudio. Aos domingos, pode ser visitada das 14h30 às 18h00.

Descubra o Mar Mediterrâneo com Costa Cruzeiros

Navegar pelo Mediterrâneo em cruzeiro é a melhor forma de conhecer todos os países banhados por suas águas: Itália, França, Espanha, Tunísia, Malta.

Existem muitos cruzeiros no Mediterrâneo e os itinerários chegam a portos conhecidos como: Civitavecchia, Nápoles, Palermo, Barcelona, ​​Valência, Malta.

A beleza de escolher um cruzeiro Costa é que alguns oferecem ao turista a oportunidade de explorar os fascinantes portos antigos da Itália, Grécia e Croácia.

O azul do mar, a infinita beleza das paisagens que o contemplam e o enorme património cultural são o cenário idílico para um maravilhoso cruzeiro no Mediterrâneo.

O Mar Mediterrâneo é rico em recursos e surpresas, repleto de diversidade cultural ao longo do seu percurso. Pelo menos uma vez na vida, caminhar por ele seria útil para mergulhar totalmente na alma dessas águas mornas de mil tonalidades.