Berlim é um destino perfeito, que você esteja em busca de cultura, história ou diversão, compras ou relaxamento, que esteja viajando com crianças - que apreciarão os museus coloridos e áreas verdes - ou com amigos.

O que fazer em Berlim? Começa pelo Portão de Brandemburgo ao Checkpoint Charlie. Passeie por suas ruas tranquilas, encante-se com a Alexanderplatz, visite a parte do Muro de Berlim ainda de pé.

Conhecida como a área de arranha-céus e vanguardas arquitetônicas, a Potsdamer Platz é o símbolo da nova Berlim reunificada. Lugar perfeito para lembrar o passado dramático desta cidade e se alegrar com seu presente emocionante. 

Existem muitos museus que valem a pena visitar na cidade, cinco dos quais estão reunidos na ilha dos museus, uma das maiores concentrações culturais do mundo. 

Sede do Parlamento Federal Alemão desde 1999, o Reichstag em Berlim merece sua atenção nem que seja pela cúpula de vidro, de onde você pode admirar um maravilhoso panorama de 360 ​​° de Berlim.

Ao entrar no Museu Judaico, você fará uma viagem no tempo: da Idade Média à trágica história do século XX e o Holocausto. A estrutura que reúne e preserva este enorme patrimônio histórico, tem o formato da estrela de Davì. Mergulhe na história. Aqui está a nossa escolha das etapas mais importantes: 

Portão de Brandemburgo

O Portão de Brandeburgo, antiga porta de entrada de Berlim, tornou- se uma das ícones da capital alemã e o símbolo do triunfo da paz sobre as armas.

Trata-se de uma enorme construção de 26 metros de altura que, com seu estilo neoclássico, lembra as construções da Acrópolis de Atenas.

O Portão de Brandemburgo foi o cenário de muitos fatos históricos importantes e, sob os seus arcos, passaram membros da realeza, as tropas de Napoleão e alguns desfiles nazistas.

A tranquilidade do Portão de Brandemburgo terminou depois da chegada da Segunda Guerra Mundial, que provocou graves danos à estrutura e praticamente destruiu a quadrilha.

Em 1956, os dois lados da cidade uniram forças para a reconstrução da porta. Foi em 1961, depois da construção do Muro de Berlim, quando a porta ficou abandonada, presa entre o leste e oeste, sem que praticamente ninguém tivesse acesso a ela. Depois da reunificação da cidade, o Portão de Brandemburgo, depois de tantos momentos difíceis, finalmente recuperou o lugar que merece.

Memorial do Muro de Berlim

O Muro de Berlim dividiu a cidade em duas partes durante 28 anos. A construção do Muro de Berlim e especialmente sua queda fizeram parte dos momentos mais importantes da história do século XX. 

Ao terminar a II Guerra Mundial, depois da divisão da Alemanha, Berlim também ficou dividida em quatro setores de ocupação: soviético, americano, francês e inglês. As péssimas relações entre os comunistas e os aliados foram crescendo até chegar ao ponto de surgirem duas moedas, dois ideais políticos e duas alemães. Com a divisão foram criados 81 pontos de passagem entre as duas zonas da cidade.

O Muro de Berlim acabou se tornando uma parede de concreto com uma altura entre 3,4 e 4 metros, com um interior formado de cabos de aço para aumentar sua resistência. 

A parte mais importante que se manteve em pé está na zona conhecida como East Side Gallery, onde o muro está decorado com impressionantes pinturas que refletem diversos acontecimentos relacionados ao muro.

Edifício Reichstag

O Reichstag é uma das paradas obrigatórias ao visitar Berlim. Ninguém sai da capital alemã sem ao menos admirar o edifício de fora ou visitar a famosa cúpula de vidro, desfrutando assim de uma das melhores vistas de Berlim.

O Reichstag foi construído para o parlamento do Deutsche Reich. Em 1894, quando o prédio foi inaugurado, ninguém imaginava que essa construção remetesse ao início da ditadura nazista e à divisão da Alemanha durante a Guerra Fria. Hoje o edifício do Reichstag e sua famosa cúpula podem ser visitados gratuitamente.

A entrada principal está reservada para visitantes e não para parlamentares. A porta e a grande cúpula de vidro são símbolo da democracia. A cúpula foi projetada para ser visitada por turistas e cidadãos e de cima você pode observar o trabalho da assembleia legislativa.

Ilha dos Museus

A Ilha dos Museus (Museumsinsel) é um dos conjuntos de Museus mais importantes do mundo: abriga o Museu Pergamon, o Museu Antigo, o Museu Novo, a Antiga Galeria Nacional e o Museu Bode.

A famosa Ilha dos Museus de Berlim, localizada ao longo do Rio Spree, no coração da cidade, é um dos complexos de exposições mais importantes do mundo.

O complexo, declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, é composto por cinco prestigiosos museus, que abrigam coleções arqueológicas e de arte.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a maioria dos edifícios da ilha foram terrivelmente danificados e alguns deles só recentemente viram suas obras de renovação concluídas. Aproveite para um passeio pelas colunatas destes maravilhosos palácios, através das suas salas monumentais e mergulhe nos 6000 anos de história e cultura!

Museu Pergamon

Entre os muitos museus de Berlim, o Museu Pergamon é um dos mais visitados. Situado na Ilha dos Museus, inclui três realidades distintas: a Coleção de Antiguidades Clássicas (também exposta no Museu Altes), o Museu de Antiguidades do Oriente Próximo e o Museu de Arte Islâmica. 

O museu está dividido em uma parte dedicada à coleção antiga, uma parte relativa ao Oriente Próximo e uma última ala para a arte islâmica.  Esta atração é visitada por mais de um milhão de pessoas todos os anos, o que o torna o museu de arte mais visitado da Alemanha, além de ser um dos maiores do país.

O museu chama a atenção sobretudo pela monumentalidade das obras expostas no seu interior.O imponente edifício localizado na Ilha dos Museus é mais conhecido por tesouros da antiguidade, como o impressionante Portão turquesa de Ishtar e o monumental Portão do Mercado Miletus. Aqui você pode percorrer a rota da procissão da Babilônia como era feita há mais de 2.600 anos.

Alexanderplatz

Alexanderplatz é considerada o centro de Berlim desde a Idade Média e uma das praças mais famosas de Berlim. 

O nome foi dado a ela depois que o czar Alexandre I visitou a então capital do Reino da Prússia em 1805, mas somente a partir de 1882, graças à construção da ferrovia, ela se tornou um verdadeiro centro ferroviário famoso em toda a Europa.

Com a criação em 1886 do Zentrale Markthalle, que é o mercado coberto central, e da loja de departamentos Titz, a Alexanderplatz se tornou um verdadeiro centro de comércio, talvez um dos mais importantes de Berlim na época. As estruturas atuais encontradas na praça, no entanto, foram criadas na década de 1960, pois foram quase totalmente arrasadas durante a Segunda Guerra Mundial.  Após as renovações, foi criada uma zona pedonal.

Memorial aos Judeus assassinados na Europa

O Monumento do Holocausto de Berlim é uma joia arquitetônica construída em homenagem aos judeus assassinados na Europa. E’ um labirinto de blocos de concreto acima do Bunker onde Hitler cometeu suicídio.

O Memorial aos Judeus Mortos da Europa tem, de facto, uma característica muito particular: o terreno sobre o qual se ergue é uma subida e uma descida contínua que consegue fazer com que os que caminham entre os blocos percam qualquer ponto de referência. 

O objetivo é recriar aquele sentimento de desorientação que caracterizou todos aqueles judeus que se viram vivendo uma tragédia tão inimaginável que ainda é impossível descrevê-la em palavras.

Uma das salas mais impactantes é a que mostra suas paredes cobertas com os nomes e os anos de nascimento e morte das vítimas do holocausto. A visita ao centro de informação começa com um resumo da política nacional-socialista de extermínio adotada entre 1933 e 1945. 

Checkpoint Charlie

Entre as atrações mais famosas da capital alemã está certamente o Checkpoint Charlie, um dos principais checkpoints que controlavam a passagem entre Berlim Oriental e Ocidental durante a Guerra Fria.

A estrutura original é mantida no Museu Alliierten (Museu Aliado) no distrito de Dahlem, onde a missão política e militar da Alemanha está documentada. Checkpoint Charlie também foi palco do grande cinema que quis contar o período da Guerra Fria, reconhecendo-o como símbolo do conflito.

Desde 2001, uma cópia da placa foi afixada no Checkpoint Charlie, que alguns anos antes alertava os cidadãos: “Vocês estão deixando o setor americano”.

Além da sinalização, existe a zona de fronteira, onde os turistas tiram as suas fotos, e um grande acervo de fotografias e documentos, onde se pode ver como era este local no passado.

Catedral de Berlim

Construída entre 1894 e 1905, a Catedral de Berlim é o edifício religioso mais representativo da cidade. Sua cúpula oferece as melhores vistas de Berlim.

Na ilha do Rio Spree ergue-se a maior igreja da capital alemã: a Berlim Dom (Catedral de Berlim), a suntuosa catedral de estilo renascentista italiano, símbolo da igreja luterana. 

Severamente danificada durante a Segunda Guerra Mundial, a Catedral de Berlim foi reaberta em 1993 após 18 anos de restauração e reconstrução.

A "grandeza" do edifício religioso também se reflete no interior, ricamente decorado e embelezado com elementos de grande valor. O altar neobarroco em mármore branco é lindo, com vitrais retratando cenas da vida de Jesus, o antigo órgão é espetacular, um dos maiores do país, o sarcófago de Frederico I e sua segunda esposa Sofia Carlota é monumental.

O trajeto até a cúpula é feito por um caminho um pouco complicado, como se fosse chegar a um desvão abandonado, mas, depois de subir os 270 degraus que levam até o alto da cúpula da catedral, o turista pode curtir uma bela vista do centro de Berlim que realmente faz a subida valer a pena.

Potsdamer Platz

A Potsdamer Platz é o exemplo mais surpreendente de como, nos anos 1990, a renovação urbana foi capaz de transformar Berlim na “Nova Berlim” de hoje.

A Potsdamer Platz foi o lugar de desenvolvimento de uma densa atividade comercial e cultural durante o século XIX e ainda se conservam alguns restos dessa evolução, como o primeiro semáforo de toda a Europa, que funcionava manualmente.

Hoje este local é composto por três áreas, conhecidas como Daimler City, Sony Center e Bensheim Center.

A praça está situada bastante perto do Portão de Brandemburgo e é muito interessante fazer esse percurso a pé, seguindo a brecha no chão que marca o caminho do Muro de Berlim.

Descubra o Norte da Europa em um cruzeiro com a Costa

O encanto do Norte da Europa, com a sua natureza selvagem, os espaços imensos, a contaminação entre o céu e o mar, as cidades ricas em história e a luz muito especial, que nos acompanha durante o verão até à noite, atinge todos os viajantes que estão em busca de férias extraordinárias. 

Não perca a oportunidade de mergulhar na história abraçada pela cultura, boa comida acompanhada de noites estreladas.

Somente um cruzeiro permite que você visite um lugar diferente a cada dia. Desfrutar do pôr-do-sol ou do nascer do sol do convés de um navio de cruzeiro é uma experiência indescritível que só um cruzeiro pode viver.

Escolha o destino que mais deseja, faça a mala e venha viver sua experiência.