No paraíso das Baleares, existem inúmeros lugares que merecem ser visitados, porque a maravilha nessas partes pode ser encontrada em todos os cantos e você é realmente mimado pela escolha. Você pode começar com as praias mais bonitas de Palma de Maiorca para saborear a variedade de cores, do branco da areia ao turquesa do mar, ou se aventurar por dentro, descobrindo o verde das montanhas e encontrando a magia que faz de Mallorca uma das ilhas mais bonitas da Espanha.

E quando o passeio termina, você sempre volta para o mar, transparente e fascinante. Difícil resistir ao seu apelo, assim como ao de todas as praias espanholas. O que ver em Palma de Maiorca? Catedral, Sóller, Es Baluard e muito mais. Descubra os melhores lugares para ver em Palma de Maiorca com um cruzeiro Costa!

Catedral de Santa Maria

Você poderá ouvi-la nomear pelos habitantes locais como "Seu", ou o nome antigo usado sob os Aragão para indicar as catedrais. É o edifício religioso mais importante em Palma de Maiorca. Fica entre o Palácio da Almudaina e o Palácio do Bispo, na acrópole da cidade romana. Sua história começou, em 1229, quando o rei Jaime de Aragão conquistou a ilha controlada pelos Mouros e, onde antes ficava a grande mesquita de Medyna Mayurca, mandou erigir uma grande igreja dedicada a Santa Maria. É o voto que ele se impôs depois de escapar de uma tempestade.

O que impressiona é a grandiosidade da estrutura, construída no que pode ser chamado de estilo gótico mediterrâneo, com influências nórdicas. Pode receber milhares de fiéis. As naves são três e são muito altas: a central alcança 44 metros. Tudo parece gigantesco, como a rosácea que domina do clerestório vertiginoso. A cúpula é inferior, por altura, apenas à Catedral de Beauvis e à Catedral de Milão.

O Portal do Mirante, localizado próximo à beira-mar na fachada sul, adornado com o tema da Última Ceia e com finas decorações geométricas, chama a atenção por sua beleza. O edifício iluminado é espetacular à noite mas, neste caso, só pode ser admirado de fora.

Cidade velha de Palma de Maiorca

A capital das Ilhas Baleares é uma cidade de 500 mil habitantes que se desenvolveu em torno de um centro construído inicialmente no período de domínio árabe e, portanto, de acordo com a estrutura da Casbah. O patrimônio histórico e cultural é muito rico, em grande parte mantido na cidade velha. A visita à Catedral é imperdível, logo depois é quase inevitável encontrar os Banhos Árabes, cujos restos testemunham a dominação árabe: é uma sala circular apoiada por algumas colunas.

A Basílica de São Francisco não passa despercebida. Por fora, a elegância do claustro gótico é impressionante, completa com limoeiros e laranjeiras. Não muito longe daqui fica o Palácio de Almudaina, residência do rei da Espanha durante suas estadias de verão na ilha de Maiorca. No interior, tapeçarias da era flamenga estão em exibição.

Um espaço muito popular é o da Arena, que abriga espetáculos e performances, além da Praça do Mercado, cercada por edifícios de estilo Art Nouveau, enquanto a Prefeitura, na Praça del Cort, é em estilo barroco.

Sóller

Muito perto de Palma de Maiorca, na realidade era difícil chegar a esta bela cidade até o início do século XX, porque estava completamente cercada e protegida pelas montanhas. Na prática, só era possível chegar a partir do porto, por via marítima. Com a construção da linha ferroviária (em 1912) de Palma a Sóller, se abriu uma importante via de comunicação.

E ainda hoje, quem tem a oportunidade de percorrer os 27 quilômetros que separam os dois centros nas carruagens de madeira vintage, vive uma experiência extraordinária quase suspensa no tempo, graças aos altos e baixos das montanhas, túneis, pontes e o panorama extraordinário. Desde a década de 1970, um túnel que foi aberto ao trânsito automóvel, também garante o fluxo além das montanhas.

E é uma sorte, porque Sóller tem muito a oferecer aos visitantes. Passeando pelas ruas cheias de lojas você encontra a fascinante Praça da Constituição, onde a Igreja de São Bartolomeu domina a cena. Saindo da cidade, e seguindo em direção a Palma, chegamos ao antigo Mosteiro de São Francisco. Descendo o vale, alcançamos Port de Sóller, uma vila muito charmosa com vista para a baía e para duas praias imperdíveis. A primeira é a Praia de Es Traves, perto da estação de bonde e cercada por clubes de todos os tipos. A segunda é a Praia d'en Repic onde você só pode chegar a pé e que, por esse motivo, manteve intacta a atmosfera do passado.

O porto acolhe pequenas embarcações e está bem equipado. Ao longo dos anos, ficou famoso pelo evento histórico que, em maio, celebra a expulsão dos Mouros pelos cristãos, ocorrida em 1561.

Valldemossa

Falando em montanhas, a 1064 metros acima do nível do mar, encontramos Valldemossa. É de todas, a cidade de maior altitude de Maiorca. No centro fica a igreja de São Bartolomeu, datada de 1245, mas desenvolvida em estilo gótico. No entanto, a verdadeira atração é representada pelo antigo mosteiro dos cartuxos, a Cartuja de Jesus Nazareno, que em número de visitantes fica apenas atrás da catedral de Palma.

Nos tempos antigos, este edifício era usado como Palácio Real mas depois foi transformado em uma igreja com seus labirintos de celas e uma torre campanária. A vida monástica terminou, em 1835, quando o estado tomou posse de toda a estrutura e a vendeu a particulares.

O Mosteiro Miramar está localizado na costa noroeste onde você pode desfrutar de um panorama notável. A partir de 1276, os monges franciscanos aprendiam aqui línguas orientais para, em seguida, irem evangelizar os países árabes. Hoje existe um museu dedicado ao fundador Ramon Llull, que mostra as cozinhas antigas, o lagar e o claustro caracterizado por esplêndidos arcos góticos.

Castelo de Bellver

A apenas três quilômetros de Palma de Maiorca, há um castelo de estilo gótico construído, em 1400, em uma colina a 112 metros acima do nível do mar. Bellver significa Mirante e sua localização com vista para o golfo, entre o porto e as montanhas da Serra de Tramuntana e Pla de Mallorca, diz tudo.

A primeira característica, e mais evidente, reside na sua forma circular, uma das poucas na Europa. Desenvolve-se entre uma grande torre principal e três outras menores, sempre de forma circular. Dentro do pátio há um alpendre. Com o tempo, hospedou vários soberanos e foi forçado a sofrer numerosos ataques. Devido à sua forma fechada e protegida, o castelo também foi usado como prisão.

Palácio de Almudaina

Ao lado da Catedral de Palma de Maiorca fica o Palácio de Almudaina, a residência oficial do Rei da Espanha por ocasião de suas visitas à ilha. No interior, nos esplêndidos aposentos, estão expostas tapeçarias flamengas do século XVII. Observe também o portal românico da Capela de Santa Ana, a capela real, a sala Tinell e os muitos pátios que podem ser atravessados caminhando de uma ala do palácio para outra.

O primeiro centro da cidade de Palma de Maiorca, fundado pelo cônsul romano Quinto Cecilio Metello, em 123 a.C., desenvolveu-se ao redor do Palácio de Almudaina, o verdadeiro coração das atividades dos habitantes. A partir daí tudo começou.

Partindo deste lugar para ir à descoberta de Mallorca, se encontram lugares interessantes para admirar. As ruas sinuosas que cercam a residência histórica são, de fato, o lar do Museu de Maiorca e do palácio de Ca la Gran Cristiana. No último edifício, são preservadas algumas descobertas arqueológicas e retratos de dignitários locais.

As Cavernas

A beleza de Maiorca não se limita aos panoramas extraordinários que podem ser observados das colinas verdes em direção ao mar. Mesmo no subsolo, estão ocultas joias autênticas, como as Cavernas do Dragão, as Cuevas del Drach, ou as Cavernas de Gênova (Cuevas de Genova) e as Cavernas de Artà (Cuevas de Artà), embora, na realidade, existam cerca de 800 cavernas em toda a ilha.

As Cavernas do Dragão estão localizadas na costa leste, e são formadas por quatro cavernas em uma área de cerca de 2.400 metros e uma profundidade de 25 metros. Seus nomes são Caverna dos Franceses, Caverna de Luigi Salvatore, Caverna Branca e Caverna Negra. Elas foram descobertas, em 1896, pelo explorador Alfred Martel, que também encontrou o que continua sendo um dos maiores lagos subterrâneos do mundo, com 117 metros de comprimento e com uma temperatura de 17 graus. As cavernas abrigam concertos de música clássica (graças à excelente acústica que têm) e oferecem um espetáculo verdadeiramente único de luzes e reflexos.

Ao sul da ilha, as Cavernas de Artà são famosas por suas enormes estalactites com figuras vagamente antropomórficas. Para alguns, seria o cenário ideal para ambientar o Inferno de Dante. Entre na Sala das Colunas após o Vestíbulo e encante-se com o que parece um edifício gótico. Na Sala da Rainha, estão as estalactites mais altas, com formas muito estranhas e maravilhosas. Perto de Porto Cristo existem as Cavernas de Hams, sempre iluminadas por luzes artificiais e sempre abertas aos público. Outras cavernas têm nomes que se referem à mitologia: o "Banho de Diana", a "Cidade encantada" ou o "Sonho de Anjo".

Fundação Joan Miró

De 1956, até sua morte, em 1982, o artista espanhol viveu na ilha e, inspirado na beleza de Maiorca, criou um grande número de obras. A Fundação, desejada por sua esposa Pilar, celebra sua grande criatividade e está alojada em uma estrutura inovadora de extraordinário impacto, adaptada pelo arquiteto Rafael Moneo na residência Mirò. Abriga também telas de pinturas não concluídas pelo artista mas, acima de tudo, uma coleção permanente de obras.

Está localizada em Cala Major, não muito longe de Marivent, uma residência real de verão. Ao todo, as obras aqui abrigadas são 6.000 entre pinturas, esculturas, tapeçarias, esboços, desenhos e vários documentos. A Fundação, é dividida em três edifícios: Moneo, Son Sert e Son Boter. O grande desejo de Mirò sempre foi poder ter um laboratório equipado onde ele pudesse imaginar e realizar suas criações. Seu amigo Sert o ajudou a criar um espaço sob medida e mais tarde o artista comprou a propriedade Son Boter, tornando-a o segundo estúdio/refúgio. Preocupado com a construção selvagem na ilha, Mirò decidiu preservar suas obras estabelecendo a Fundação.

Es Baluard

Dedicado à arte moderna e inaugurado pela família Real da Espanha em 2004, este espaço de exposições, de grande sucesso, oferece aos visitantes uma vasta e variada coleção de desenhos, pinturas e esculturas de artistas ligados aos estilos e tendências internacionais mais significativos, a partir de final do século XIX. Os autores presentes são Cèzanne, Gauguin, Picasso, o próprio Mirò, Magritte, Polke, Barcelò e Schnabel. Destaca-se também a coleção de paisagens mediterrâneas e de autores de alguma forma relacionados às Ilhas Baleares, como Rusiñol, Gelabert e Anglada-Camarasa.

Banyalbufar

Uma pequena estrada no meio do sopé de Tramuntana, curvas exigentes que oferecem paisagens deslumbrantes antes de chegar ao seu destino e, novamente, ruas estreitas para chegar ao centro do país. Estamos em Banyalbufar, um lugar especial para adicionar à lista de belezas de Maiorca. De cima, você pode ver o mar no fundo da falésia e a atmosfera que penetra o ar é fantástica, muito diferente daquela dos locais mais turísticos.

O melhor ponto de observação da costa é o terraço natural conhecido como Ses Animes, um verdadeiro símbolo da cidade. No centro, você pode visitar o esplêndido complexo monumental de Clastra de sa Barona, com o claustro e a torre anexa.

Calo des moro

Se você vislumbrou acidentalmente algumas imagens desta praia exclusiva, não há necessidade de adicionar muito mais. Uma das mais bonitas da Espanha, é certamente a mais bonita de Maiorca. Na parte sudeste da ilha, a praia de Calo des Moro é absolutamente imperdível e é conhecida pela frase que seu primeiro visitante deve ter pronunciado: "uma joia para manter em segredo". Não é por acaso, que se você procurar encontrará placas indicando "estrada privada", pequenos truques com os quais os habitantes locais tentam proteger essa maravilha do ataque de turistas.

É cercada em ambos os lados por altas falésias com vista para a água e o contraste de cores, entre o branco da areia mais fina, o azul do mar cristalino e o cinza das rochas, é algo incomparável. A praia é pequena, apenas quarenta metros, e não há espaço para estruturas nas proximidades. Naturalmente bonita.

Cala deia'

Um cenário completamente diferente, da areia às rochas. A água é sempre cristalina mas a praia aqui é reduzida ao mínimo. Você chega em uma estrada estreita depois de um estacionamento. Quase escondida à sombra das falésias, vale a pena caminhar de Port de Soller ao invés de uma viagem de carro. Dois restaurantes permitem que você pare para almoçar e retorne à base para aqueles que fizeram uma pequena excursão.

Farol de Cap de Formentor

Outro lugar mágico por sua conformação e pelas cores que a caracterizam. Formentor é uma península que se estende para o mar a partir da cadeia montanhosa da Serra de Tramuntana. Um promontório que oferece vários pontos de observação, um cenário deslumbrante para fotos de lembranças. Cap de Formentor é o ponto mais alto, alcançável seguindo um percurso bastante exigente com muitas curvas. Para complicar, há o tráfego de ônibus que leva os turistas ao Mirador des Colmer e até o mirante de onde se pode apreciar a vista inigualável que chega às falésias de Els Farallons, a 200 metros de altura e imersas no mar azul.

A paisagem é também cercada pela ilhota de Es Colomer onde se aninham muitas aves marinhas. A torre Atalaya d'Abercruix, a 375 metros acima do nível do mar, uma antiga fortaleza militar, fica na estrada que continua em direção ao Farol, o ponto mais alto para admirar, antes de descer, a Cala Formentor, uma entrada no mar azul-turquesa que guarda a faixa de areia branca cercada pela vegetação mediterrânea.

Petra

Uma viagem de 43 quilômetros de Palma permite mudar totalmente o cenário. Do litoral ao interior, onde se localiza a cidade natal de Frei Junípero Serra, e que é adornada com vários edifícios monumentais, tanto que seu centro histórico foi declarado Bem de Interesse Cultural. A produção de cereais sempre foi o ponto forte do território, no entanto, nos últimos tempos, a viticultura ganhou importantes quotas de mercado. Entre os lugares mais significativos que merecem ser visitados em Petra, estão a igreja de São Pedro, o convento de São Bernardino e o santuário da Virgem de Bonany.

A coleção do Museu de Frei Junípero Serra oferece a oportunidade de conhecer a vida e as obras do religioso que evangelizou a Califórnia fundando, de fato, São Francisco e que, em 2015, foi canonizado pelo Papa Francisco. Houve uma controvérsia por parte dos índios que contestaram o uso da violência por parte do franciscano em suas missões. De qualquer forma, os lugares do santo tornaram-se um destino de peregrinações. A festa em sua homenagem, em setembro, é sempre muito popular com desfiles de carros alegóricos e muitos tributos florais. A poucos quilômetros de Petra, você pode chegar a Manacor, o berço do grande campeão de tênis Rafael Nadal, protagonista do ranking ATP.

Parta para Palma de Maiorca com a Costa Cruzeiros

Neste ponto, a imagem é clara. E é muito colorida. Tão atraente que é difícil ficar parado. Palma de Maiorca vale uma viagem. Divirta-se!

Viaje com a Costa Cruzeiros